EUA e Cuba vão reabrir embaixadas mas sem abandonar divergências

(DR)
(DR)
(DR)

Os Estados Unidos e Cuba restabelecem as relações diplomáticas após quase meio-século de divisões sobre uma das últimas fronteiras da guerra fria.

Washington e Havana confirmaram que as respetivas embaixadas deverão reabrir até ao final de julho.

Um passo importante, mas que está longe ainda da normalização das relações, tanto para Raul Castro como para Barack Obama.

“John Kerry deverá viajar à capital cubana para içar a bandeira norte-ameriana na embaixada do país. Mas quero lembrar que as divergências persistem, nomeadamente quando os Estados Unidos vão continuar a defender valores universais como a liberdade de expressão, de reunião e o direito à informação”, afirmou Obama.

A data da viagem de Kerry ainda não foi confirmada mas deverá decorrer até ao final do verão. O governo cubano sublinhou no entanto a necessidade que Washington ponha fim ao embargo económico ou restitue o território onde está localizada a base militar de Guantanamo.

Sobre este ponto, Obama garantiu, “não se pode sequestrar o futuro de Cuba por causa do passado. Pedi ao Congresso que inicie o processo para pôr fim ao embargo que impede os americanos de viajar ou fazer negócios em Cuba”.

O acordo para reabrir as embaixadas decorre após o anúncio, em Dezembro, do início do processo de normalização das relações entre os dois países, depois de 18 meses de negociações secretas entre Havana e Washington. (euronews.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA