EUA: Atirador que matou quatro marines agiu inspirado no EI

Mulher chora pelas vítimas do atentado em Chattanooga, no Tennessee, no dia 17 de julho de 2015 (Foto de Joe Raedle/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP)
Mulher chora pelas vítimas do atentado em Chattanooga, no Tennessee, no dia 17 de julho de 2015 (Foto de Joe Raedle/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP)
Mulher chora pelas vítimas do atentado em Chattanooga, no Tennessee, no dia 17 de julho de 2015 (Foto de Joe Raedle/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP)

O jovem atirador que matou quatro fuzileiros navais americanos na quinta-feira na região de Chattanooga, no Tennessee, inspirou-se no grupo Estado Islâmico (EI), disse nesta sexta o presidente da comissão de segurança interna da Câmara de Representantes.

“Os alvos são idênticos aos propostos pelo EI. Então, para mim e segundo minha experiência, trata-se de um ataque inspirado no EI”, revelou Michael McCaul, legislador republicano do Texas.

O atirador, que morreu durante o tiroteio, foi identificado como Mohammad Yussuf Abdulazeez, 24 anos, segundo o FBI, que “abriu uma investigação por terrorismo, o que é muito significativo”, recordou McCaul.

Para o legislador, o que ocorreu em Chattanooga “pode acontecer em qualquer outro lugar”. “A ameaça é real, vem da Internet, há uma nova geração de terroristas e já não são mais os mensageiros de Bin Laden”.

A ameaça “vem pela Internet a partir da Síria, de militantes do EI, de recrutadores do EI, operadores do EI na Síria com endereços nos Estados Unidos para activar pessoas” na América.

McCaul recordou que as autoridades americanas detiveram 60 pessoas ligadas ao EI no ano passado, “o que representa mais de uma por semana”, e desarticulou “mais de 50 planos contra os interesses ocidentais”.

Os especialistas em anti-terrorismo concentram-se nos deslocamentos de Mohammad Youssuf Abdulazeez, especialmente em sua actuação durante um mês na Jordânia em 2014, para determinar se visitou países vizinhos como a Síria, revela The Wall Street Journal citando fontes ligadas à investigação. (afp.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA