Dirigente da CASA-CE satisfeito com crescimento do partido

(D.R.)
(D.R.)
(D.R.)

O conselheiro especial do presidente da CASA-CE, Carlos Tiago Kandanda mostrou-se hoje, domingo, no Luena, satisfeito com nível de crescimento de militantes do seu partido na província.

Em declarações à Angop, no termino da visita de cinco dias efectuada à província do Moxico, onde avaliou o grau de execução dos projectos implementados pelo Comité local da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE).

Sem revelar o número de militantes que o CASA-CE possui actualmente, considerou eficaz a sua agremiação política ter representatividades em oito dos nove municípios da província do Moxico.

Disse por outro lado, ser intenção das estruturas centrais do partido avistar o crescimento exponencial de militantes, onde a formação política será contínua em todos os graus.

Durante a sua estada no Moxico, o dirigente político avaliou o estado socioeconómico da região, bem como o andamento do processo de elaboração das listas dos candidatos para as estruturas do Conselho Nacional Eleitoral a nível nacional, provincial e comunal.

Ressaltou o desenvolvimento significativo da província, quer no sector da educação, como da saúde, onde foram construídos, reabilitados e apetrechados vários estabelecimentos do ensino, hospitais, centros, postos médicos, entre outras instituições sanitárias.

Apesar da execução destes empreendimentos, o conselheiro do presidente da CASA – CE, sugeriu ao executivo local no sentido de colmatar as debilidades ainda existentes nestes sectores, consistindo na falta de medicamentos, má qualidade no atendimento hospitalar e crianças fora do sistema de ensino e aprendizagem.

A falta de energia eléctrica e água potável em algumas zonas da cidade do Luena e nos municípios do interior é outro problema levantado e que preocupa o igualmente, deputando da Assembleia Nacional, defendendo a sua resolução imediata para o bem estar social das populações afectadas.

Na sua opinião, a insuficiência de quadros especializados nos sectores da saúde e educação, quer em qualidade como quantidade, é uma das causas que condiciona o bom desenvolvimento desta província de Angola.

Defendeu também a abolição nos próximos tempos do sistema de centralização e concentração de obras e projectos adjudicadas a empresas da capital do país, por prejudicar os governos provinciais e as empresas de construção civil locais. (portalangop.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA