Dilma: relação entre Brasil e EUA está em novo patamar

(Roberto Stuckert Filho/PR)
 (Roberto Stuckert Filho/PR)
(Roberto Stuckert Filho/PR)

O último compromisso da presidenta Dilma Rousseff em sua viagem aos Estados Unidos foi a visita nessa quarta-feira (1) ao Centro de Pesquisas da NASA, a agência aeroespacial norte-americana.

Dilma foi à Unidade Avançada de Supercomputadores. Em entrevista à imprensa, ela disse que a ida ao país foi extremamente produtiva e que a relação do Brasil com os EUA está agora em um novo patamar de possibilidades.

Na NASA, a presidenta se reuniu com empresários do setor aeroespacial, executivos da Boeing, da Embraer e da Honeywell. Foi o último compromisso de uma extensa agenda no estado da Califórnia, na Costa Oeste dos Estados Unidos.

Nesse trecho da viagem, a presidenta propôs a abertura de diálogo entre governo, universidades e empresas de alta tecnologia para tentar estabelecer parcerias com o Brasil.

Mais cedo, Dilma Rousseff se reuniu com a presidenta da Universidade da Califórnia, Janet Napolitano, e com o reitor da Universidade de Berkeley, Nicholas Dirks. A presidenta teve ainda um encontro com o presidente do instituto de pesquisa SRI International, Bill Jeffrey. E visitou a sede da empresa Google, onde fez um passeio em um carro equipado com um sistema de direção inteligente, capaz de circular sem motorista.

A ex-secretária de Estado, Condoleezza Rice, ofereceu um almoço em homenagem à presidenta na Universidade de Stanford, onde ela é professora. Além de acadêmicos, empresários também participaram do encontro. Entre eles, estavam Mark Zuckerberg, do Facebook, e Mile Calahan, do Linkedin.

Em entrevista para jornalistas, Dilma Rousseff fez um balanço da viagem. Ela disse que a visita foi extremamente produtiva e afirmou: “nós relançamos a relação com os Estados Unidos num patamar, eu diria assim, de maior possibilidades futuras e presentes”.

Dilma Rousseff viajou à noite de volta para Brasília, onde deve desembarcar nesta quinta-feira (2) de manhã, informou Agência Brasil. (sputniknews.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA