Cunene terá 14 novos postos de fronteira

COMISSÁRIO-GERAL AMBRÓSIO DE LEMOS - COMANDANTE-GERAL DA POLICIA NACIONAL (Foto: José Cachiva)

Ondjiva – A província do Cunene vai brevemente contar com 14 novos postos de controlo fronteiriço com a República da Namibia, informou o comandante geral da Polícia Nacional, Comissário geral Ambrósio de Lemos.

COMISSÁRIO-GERAL AMBRÓSIO DE LEMOS - COMANDANTE-GERAL DA POLICIA NACIONAL (Foto: José Cachiva)
COMISSÁRIO-GERAL AMBRÓSIO DE LEMOS – COMANDANTE-GERAL DA POLICIA NACIONAL (Foto: José Cachiva)

Esta informação  foi  avançada esta segunda-feira a margem do encontro bilateral entre as forças policiais de Angola e da Namíbia que decorre na cidade de Ondjiva.

De acordo com o oficial comissário, a policia  de guarda fronteira vai estar mais capacitada com a montagem destes novos postos de controlo de observação para melhor proteger a fronteira do Cunene.

Anunciou o reforço e  apetrecho  de mais meios para que a policia de fronteira possa vigiar e fiscalizar melhor a incursão de pessoas uma vez que a imigração ilegal, tende a se fazer sentir nessa região não só no Cunene, mas também no Cuando Cubango.

Ambrósio de Lemos fez saber que o combate aos crimes transfronteiriços constitui uma das acções pontuais e permanente entre as duas forças policiais,uma vez que Angola tem uma fronteira bastante vasta com o  país vizinho  e como tal há necessidade de prestarem maior atenção aos actos que intentam contra ordem e tranquilidade.

Entretanto apontou como  principais crimes transfronteiriços a destruição da flora e da fauna, imigração ilegal, roubo de gado, contrabando de armas e de drogas.

No concernente ao tráfico de droga, Ambrósio de Lemos explicou que a policia apreendeu recentemente mais de 11 quilos de cocaína no aeroporto 11 de Fevereiro destinados a serem transladados para a República da  Namibia.

Quanto ao furto e roubo de viaturas, junto do perímetro fronteiriço dos dois países, o comissário geral salientou que desde a execução do Decreto que proíbe a entrada de  viaturas com volante a direita no país , reduziu substancialmente a questão do roubo de viatura, apesar de haver ainda alguns intentos.

Explicou quie os marginais procuram sempre outras formas de poder fugir as autoridades e nesse momento tentam modificar os volantes de viaturas e colocar matricula de Angola, para depois saírem como se fossem viaturas que transpuseram a fronteira, mas que as forças estão atentas e conjuntamente com a policia namibiana estão a trabalhar  para reverte esta situação.

De realçar que Angola e Namíbia partilham uma fronteira de mil e 376 quilómetros quadrados, na qual engloba as províncias do Namibe, Cunene e Cuando Cubango. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA