Cuanza Norte: Venda de casas sociais com fraca adesão dos munícipes

CASAS SOCIAIS COM POUCOS COMPRADORES NO CUANZA NORTE (Foto: Angop)

Golungo Alto – As autoridades municipais do Golungo Alto, província do Cuanza Norte, estão insatisfeitas com a fraca adesão dos munícipes no processo de compra de casas sociais disponíveis na nova urbanização da Santa Luísa, situada a 11 quilómetros da sede municipal.

CASAS SOCIAIS COM POUCOS COMPRADORES NO CUANZA NORTE (Foto: Angop)
CASAS SOCIAIS COM POUCOS COMPRADORES NO CUANZA NORTE (Foto: Angop)

A insatisfação foi transmitida hoje, naquela vila pelo administrador da circunscrição, Cirilo Matias Mateus, durante a II reunião ordinária da administração do município, adiantando que a medida implementada pelo Executivo tem por objectivo melhorar a situação  de habitabilidade dos cidadãos.

O responsável salientou que estão disponíveis para venda 100 casas no valor de quatro milhões e 120 mil kwanzas cada, para serem pagas por via de renda resolúvel, no prazo de 30 anos, mais até ao momento,  apenas 12 candidatos  manifestaram a intenção de aderir ao processo de compra de imóveis.

Na ocasião, os membros da administração local, mostraram-se igualmente preocupados, com o aumento da criminalidade no município, visto que nos últimos tempos se tem registado vários casos de homicídios voluntários que têm vindo a chocar a sociedade, protagonizados maioritariamente por jovens dos 18 aos 25 anos de idade.

Recomendaram a criação de postos policiais nos bairros periféricos da sede municipal e a intensificação do patrulhamento, com realce no período nocturno, período no qual tem havido mais casos de roubos e furtos em residências e estabelecimentos comerciais.

Os parcos recursos humanos com que se debate o Comando Municipal da Polícia Nacional para manter a ordem e tranquilidade pública em toda extensão  do município e o aumento da poluição sonora praticados em roulottes e festas não autorizadas, perturbando os munícipes, foram outras das preocupações apresentadas pelos membros da administração local no encontro orientado pelo administrador Cirilo Matias Mateus.

Para contrapor tais situações, os participantes reconheceram a necessidade da intensificação das campanhas de sensibilização visando desencorajar os cidadãos à prática de crimes, bem como a aplicação de multas aos organizadores de actividades ruidosas ao abrigo das leis  que regulam as transgressões administrativas. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA