Cuanza Norte: Suicídios frequentes inquietam presidente do Tribunal Supremo

VENERANDO JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPREMO, MANUEL ARAGÃO (Foto: Angop)

Ndalatando – O presidente do Tribunal Supremo, Manuel da Costa Aragão, mostrou-se preocupado com os frequentes suicídios que ocorrem na região, tendo solicitado um estudo aprofundado, para se determinar as reais causas do fenómeno.

VENERANDO JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPREMO, MANUEL ARAGÃO (Foto: Angop)
VENERANDO JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPREMO, MANUEL ARAGÃO (Foto: Angop)

O magistrado, que falava quarta-feira, em Ndalatando, durante uma reunião com responsáveis e funcionários dos órgãos intervenientes na administração da justiça, referiu que o assunto não pode deixar impávida a sociedade, sugerindo que os agentes sociais devem estudar profundamente o fenómeno.
Para Manuel Aragão, o nível de preocupação deve ser o mesmo relativo aos acidentes de viação, identificados como dos grandes males depois da guerra.

Em declarações à imprensa, o delegado do Ministério do Interior e comandante da Polícia Nacional (PN) no Cuanza Norte, Alexandre Canelas, referiu que de Janeiro a Junho do ano em curso foram registados na província sete suicídios.

Por outro lado, o venerando juiz Manuel da Costa Aragão, manifestou-se satisfeito com o reduzido número de homicídios, no Cuanza Norte, onde as ofensas corporais lideram o gráfico dos delitos, fruto do consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

A ausência de casos de excesso de prisão preventiva é outro assunto que agrada Manuel Aragão que, segundo frisou, constitui um dos motivos das visitas efectuadas às províncias.

Na manhã de quarta-feira, o presidente do Tribunal Supremo manteve um encontro de cortesia com o governador provincial do Cuanza Norte, Henrique André Júnior.

Além de proceder à avaliação da situação processual e da realidade funcional dos órgãos da administração da justiça, visitou as instalações da Procuradoria-Geral da República, o Tribunal Provincial, bem como o Serviço Provincial de Investigação Criminal (SPIC).

Esteve ainda nos Serviços Prisionais, onde constatou a situação carcerária dos detentos da Comarca do Cuanza Norte, assim como o “imóvel dos três A”, que futuramente albergará os serviços do tribunal provincial.

Durante a sua estada, de 24 horas, deslocaçou-se ao Golungo Alto, onde averiguou o funcionamento do tribunal municipal. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA