Cuanza Norte: Ambaca vai contar com núcleo de activistas contra o VIH/Sida

CUANZA NORTE:MOBILIZAÇÃO CONTRA O VIH-SIDA (Foto: Angop)

Camabatela – O Município de Ambaca, Cuanza Norte, vai contar brevemente com um grupo de activistas voluntários na luta contra o Vih/SIDA, segundo informou hoje, o promotor do projecto, Dino Kibato.

CUANZA NORTE:MOBILIZAÇÃO CONTRA O VIH-SIDA (Foto: Angop)
CUANZA NORTE:MOBILIZAÇÃO CONTRA O VIH-SIDA (Foto: Angop)

Em declarações a Angop, o também director do grupo de teatro “Omalayetu veya”, esclareceu que o grupo será constituído por jovens voluntários apoiados, com vista reforçar as acções de combate a pandemia que registam um relativo afrouxamento  na circunscrição.

Segundo o mesmo, esta foi uma das conclusões a que chegaram as autoridades administrativas locais que depois de se inteirarem das modalidades do trabalho dos activistas do Omalayetu veya entenderam que para além dos esforços de fórum médico, como compra de fármacos anti-retrovirais, seria mais eficaz e menos onerosa se, se trabalhasse mais na prevenção da doença.

Pelo menos 30 jovens, segundo o responsável municipal da Juventude, Cultura e Desportos, Faustino Matias, já manifestaram a intenção de fazerem parte do grupo que terá como grande objectivo informar, formar e educar as pessoas em matérias ligadas ao VIH/Sida de modo a evitar o aumento de casos  na circunscrição.

Esclareceu que neste preciso momento, o município não tem nenhum activista, pelo menos nessa área, facto que se pretende já evitar com a criação deste grupo que em consonância com os activistas do grupo Omalayetu veya ( da província do Bié), deverão traçar estratégias eficazes para o combate a doença.

O VIH/SIDA constitui uma preocupação das autoridades sanitárias locais que só em 2014 registaram 27 casos positivos da doença, num total de dois mil e 186 testes efectuados.

As acções gizadas para inverter o quadro têm sido até ao momento ineficazes, sendo que a exiguidade de profissionais tem estado a impossibilitar o desdobramento de equipas nas comunidades, situação que se pretende evitar com a constituição de um núcleo de activistas voluntários.

Combater a desinformação que origina os comportamentos de risco, bem como a promoção de campanhas porta-a-porta no seio das comunidades serão os grandes objectivos do grupo que se quer maior e extensivo às comunas, onde os tabus são mais notórios.

Por seu turno Caetano José Miguel, Director do Hospital Regional de Camabatela, disse que os casos positivos tendem a aumentar, porquanto só no ano 2014 os números triplicaram se comparados com os anos 2009 com três, 2010 com 12, descendo para 11 em 2011, nove em 2012 e subindo em 2013 para 16 casos positivos, acrescentando que face a este quadro é fundamental o reforço das medidas preventivas.

A fonte fez saber que a unidade sanitária dispõe de um aparelho de exames de células CD 4, equipamento que tem facilitado o acompanhamento e tratamento dos seropositivos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA