Comunicado do Secretariado Nacional do Bloco Democrático

(VOA)
(VOA)
(VOA)

O Bloco Democratico enviou à Redacção do Portal de Angola um comunicado que abaixo reproduzimos na íntegra:

  1. O Bloco Democrático deplora os graves incidentes, causados pelas autoridades, que ocorreram ontem na capital do país, na sequência de uma manifestação para exigir a libertação dos presos políticos.
  2. O Bloco Democrático constata que de forma reincidente as autoridades judiciais e do Ministério do Interior, a policia e o partido governamental tudo fazem para impedir o direito constitucional dos cidadãos se manifestarem, criminalizando simples direitos adquiridos e usando a força coerciva.
  3. O partido no poder ousou mesmo lançar povo contra povo, realizando uma contra-manifestação, quando há muito foi divulgado o local da manifestação pela “Liberdade Já”, pelos seus proponentes, jovens indignados com a prisão arbitrária dos seus colegas.
  4. O Bloco Democrático começa a perceber que o entendimento sobre o que é democracia está muito longe de ser consensual no país e que a prática das instituições em nada se assimila ao que está postulado na Lei e na Constituição.
  5. O Bloco Democrático condena assim as perseguições feitas a activistas e jornalistas – incluindo o facto da Rádio Despertar ter sido sitiada – a detenção de activistas e jornalista, a agressão desmedida a pessoas que se deslocaram ao Largo Primeiro de Maio, com porretadas, mordidelas de cães, esbofeteamentos, quando identificadas como não participes da contra-manifestação e sob direcção de dirigentes do Comité Provincial do MPLA. Nesse pormenor, o Secretário da Juventude do Blocco foi seriamente atingido.
  6. O Bloco Democrático vai continuar o seu combate pela Democracia e Liberdade. Apela a todos os extractos sociais a não permitirem que a crise da governação seja superada com o aprofundamento do regime repressivo, porque a verdadeira solução está afinal na própria Democracia.

“LIBERDADE, MODERNIDADE E CIDADANIA

SECRETARIADO NACIONAL DO BD, EM

LUANDA, 30 DE JULHO DE 2015.

 

O Secretário Geral

João Baruba

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA