Comité Central do MPLA convoca VII congresso ordinário para Agosto de 2016

Presidium da III sessão extraordinária do Comité Central do MPLA (Foto: Lucas Neto)
Presidium da III sessão extraordinária do Comité Central do MPLA (Foto: Lucas Neto)
Presidium da III sessão extraordinária do Comité Central do MPLA (Foto: Lucas Neto)

Os trabalhos da III Sessão Extraordinária do Comité Central do MPLA, orientados pelo seu Presidente, José Eduardo dos Santos, encerraram com a convocação do VII Congresso para o período de 17 a 20 de Agosto de 2016, sob o lema “MPLA – Com o povo rumo à vitória”.

De igual modo, a reunião aprovou a Metodologia Geral de Preparação e realização do VII Congresso, o Regimento da Comissão Nacional Preparatória, a Composição da Comissão Nacional Preparatória e o Plano de Marketing Político para o VII Congresso Extraordinário do MPLA.

Na abertura dos trabalhos, o Presidente José Eduardo dos Santos referiu-se a importância de uma profunda reflexão sobre a selecção de candidatos aos cargos de direcção e a sua posterior eleição, incluindo ao cargo de Presidente do partido e ao de candidato à eleição de Presidente da República.

Disse ainda que em certos círculos restritos era quase dado adquirido que o Presidente da República não levaria o seu mandato até ao fim, mas é evidente que não é sensato encarar esta opção nas circunstâncias actuais.

Advogou, por outro lado, a importância do estudo, com muita seriedade, do processo de transição.

Em relação as relações com a China, afirmou que abriu-se um novo caminho importante referente ao estabelecimento de parcerias entre empresas chinesas e angolanas do sector público e privado, para produzir em Angola parte dos materiais que serão usados nas empreitadas de obras públicas, levadas a cabo no quadro dos contratos celebrados com empresas chinesas.

Salientou ainda a revisão da Lei do Investimento Privado para desconcentrar a aprovação do investimento e reforçar a autoridade dos ministros dos respectivos sectores nesta matéria, eliminando-se assim a interferência do Parlamento neste assunto, cuja competência a constituição atribui ao Executivo.

José Eduardo dos Santo salientou que o MPLA tem sabido encarar e vencer todos os desafios e deverá apoiar os órgão do Estado competentes em todas as suas acções preventivas, para preservar a paz, a estabilidade e a unidade nacional. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA