Camarões vai mobilizar mais 2 mil soldados após ataques do Boko Haram

Coronel Didier Badjeck (DR)
Coronel Didier Badjeck (DR)
Coronel Didier Badjeck (DR)

Camarões planeia enviar mais 2.000 soldados à região do Extremo Norte, depois que supostos membros do grupo militante islâmico Boko Haram realizaram três atentados suicidas na capital regional, Maroua, na semana passada, afirmou a rádio estatal nesta segunda-feira.

A decisão foi tomada após uma série de medidas nos últimos dias para reforçar a segurança em Maroua, incluindo a proibição do uso de burcas, vendas nas ruas e mendigar. Autoridades no principal porto do país, em Douala, também proibiram as burcas.

O governo fechou ainda algumas mesquitas e escolas islâmicas no extremo norte e impôs toque de recolher em bares depois das 18h, no horário local.

O porta-voz do Ministério da Defesa, coronel Didier Badjeck, confirmou um aumento no número de tropas no Extremo Norte, mas se recusou a fornecer mais detalhes.

“Por razões de segurança, não podemos divulgar o número exacto de tropas que serão mobilizadas”, disse ele à Reuters.

O país centro-africano já enviou cerca de 7.000 soldados para actuar junto a soldados de Chade, Níger e Nigéria a fim de enfrentar seis anos insurgência do Boko Haram, que ameaça a estabilidade da região.

Os ataques suicidas a bomba em Maroua durante a semana passada marcaram a incursão mais profunda de supostos militantes do Boko Haram em território camaronês. (reuters.com)

por Josiane Kouagheu

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA