Brasil: Pela 15ª semana seguida, economistas elevam previsão para a inflação deste ano, a 9,23%

Pesquisa Focus, do BC, mostra piora das expectativas em relação ao PIB de 2015 e 2016 (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Pesquisa Focus, do BC, mostra piora das expectativas em relação ao PIB de 2015 e 2016 (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Pesquisa Focus, do BC, mostra piora das expectativas em relação ao PIB de 2015 e 2016 (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Pela 15ª semana seguinte, os economistas ouvidos pela pesquisa Focus, do Banco Central, elevaram a previsão de inflação para este ano. Já as expectativas em relação ao PIB pioram tanto para 2015 quanto para 2016, indicando uma contração da economia maior do que o esperado na semana anterior.

A projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 9,15% para 9,23%. Há um mês, a sondagem indicava que 2015 terminaria com uma inflação de 9%. Para 2016, os economistas mantiveram a mesma taxa de semana passada: 5,40%.

A economia, em 2015 e 2016, terá um desempenho pior do que o esperado na semana anterior. Os economistas reduziram as projeções para este ano pela segunda vez seguida: em vez de 1,70%, o recuo deve ser de 1,76%. No ano que vem, de acordo com a pesquisa do BC, a atividade econômica ficará em terreno positivo, mas se aproxima cada vez mais da estagnação. Na semana passada, a projeção era de alta de 0,33%. Agora, a expectativa é mais modesta, de apenas 0,20%. Há um mês, a pesquisa indicava crescimento de 0,50%.

Em meio à disparada do dólar em relação ao real na semana passada, os economistas ouvidos pela pesquisa Focus elevaram a cotação da moeda para o fim deste ano de R$ 3,23 para R$ 3,25. Para 2016, no entanto, não houve alteração e espera-se que o dólar chegue em dezembro do próximo ano cotado a R$ 3,40.

Já a Selic deve fechar 2015 em um patamar menor do que o previsto na semana passada. Os economistas reduziram em 0,25 ponto percentual a expectativa para a taxa básica de juros este ano, de 14,50% para 14,25%. A previsão para 2016 foi mantida em 12%. (diariodolitoral.com.br)

por Agência O Globo

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA