BODIVA prevê registar 10 bancos até o fim do ano

António Furtado, PCA BODIVA (Foto: D.R.)
António Furtado, PCA BODIVA (Foto: D.R.)
António Furtado, PCA BODIVA
(Foto: D.R.)

A Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) registou, durante o mês de Junho, a negociação de 161.301 obrigações e bilhetes do tesouro, movimentando assim, um montante superior a 22 mil milhões de kwanzas

O presidente do Conselho de Administração da BODIVA, António Furtado, anunciou o registo de 10 bancos até ao fim do ano. O responsável procedeu estas declarações quando falava em exclusivo ao SE à margem da 35ª edição do First Friday Club, encontro de empresários realizado pela Câmara de Comércio EUA-Angola.

De acordo com António Furtado neste momento a instituição tem dois pedidos do banco BNI, prevendo-se deste modo que a instituição se torne no próximo membro de negociação da BODIVA, depois de o Standard Bank ter sido admitido na terça-feira, 7.

“Temos mais dois pedidos: do BNI e da sua companhia de seguros. Penso que até ao final do ano, vamos ter cerca de 10 bancos registados. Estamos a trabalhar neste sentido, eles têm de se registar primeiro junto da CMC e depois na BODIVA. Esperamos que o BPC, o BIC e outros bancos comerciais até ao final do ano, se tornem membros da BODIVA”, revelou.

A Bolsa de Dívida e Valores de Angola disponibilizou desde o dia 19 de Dezembro de 2014 o Mercado de Registo de Título de Tesouro que permite a todos os investidores negociarem em mercados secundários, Títulos de Dívidas Públicas num ambiente regulado e transparente.

Actualmente, a BODIVA tem registado quatro agentes de intermediação, nomeadamente, o Banco de Fomento Angola (BFA), o Banco Millennium Angola (BMA), o Banco Angolano de Investimentos (BAI) e o Standard Bank.

Negociados 161.301 obrigações e bilhetes do tesouro

A Bolsa de Dívida e Valores de Angola registou, durante o mês de Junho, a negociação de 161.301 obrigações e bilhetes do tesouro, movimentando assim, um montante superior a 22 mil milhões de kwanzas. As transacções foram registadas pelo BFA, BMA e BAI, com uma quota de mercado, correspondente a 84,6%, 9,50%, 5,85%, respectivamente.

De acordo com Pedro Pitta Groz, presidente da Comissão Executiva da BODIVA, os títulos em obrigações, em kwanzas, foram cerca de 27 mil em Maio e 16 mil em Junho. De acordo com o responsável em kwanzas, um dos títulos que está a ser mais procurado são as obrigações indexadas, ou seja, são as obrigações cujo rendimento e o reembolso do capital é indexado diariamente, de acordo com as taxas de câmbio que o Banco Nacional de Angola lança. “Não vejo também com grande viabilidade no caso das empresas, por exemplo, imitirem os títulos indexados em kwanzas. Portanto, esta questão da debitação cambial poderá surgir mais adiante, quando entrarmos para o mercado de futuros, onde poderemos criar produtos cujo subjacente é a taxa de câmbio.

Lançamento do mercado de divida corporativa contínua em 2015

No que toca ao cronograma de implementação dos mercados, Pitta Groz, disse, durante a apresentação do tema “ Como rentabilizar o capital através da BODIVA Impacto e perspectiva do arranque da Bolsa para o processo de diversificação da economia”, haver a pretensão de se continuar a lançar o mercado de Dívida Corporativa em 2015, seguindo-se, posteriormente, o mercado mais exigente em termos de requisitos para as empresas, onde a BODIVA espera trazer os primeiros emitentes em 2016, incluindo fundos de investimentos mobiliários que se negoceiam fundos como acções, reservando para 2017 o exercício da dinamização do mercado de Derivado em particular o Mercado Futuros.

Reacções

Durante a 35ª edição do First Friday Club, os presentes foram informados sobre o preçário dos serviços para a admissão e manutenção dos limites financeiros. Foram igualmente informados que, a partir do dia 31 de Dezembro deste ano, quem não tiver o certificado do curso dirigido aos operadores de mercado e aos técnicos que estão a operar directamente ao sistema de negociação, realizado recentemente pela BODIVA, não poderá operar nos mercados da BODIVA. (semanarioeconomico.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA