Bloomberg: Barclays está a negociar venda de unidade portuguesa a banco espanhol

(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)

Apesar da rescisão com parte dos trabalhadores e do fecho dos balcões, o banco britânico manteve sempre a venda da unidade de retalho em Portugal em cima da mesa. A Bloomberg fala em negociações avançadas. O Bankinter é um nome avançado.

A unidade de retalho do Barclays em Portugal está a ser vendida a um banco espanhol, segundo avança a agência Bloomberg, citando três fontes próximas do processo. A alienação do banco é uma intenção que já existe há mais de um ano.

Segundo a Bloomberg, o banco britânico está em negociações adiantadas com o interessado. A venda envolve a banca de retalho. Não é mencionado o impacto na área de investimento, sendo que o Barclaycard é excluído do negócio.

A notícia cita várias fontes com conhecimento da operação, sendo que uma delas admite que o banco poderá ser o Bankinter. “Não é política do banco fazer comentários sobre rumores e especulações de mercado”, é a resposta ao Negócios do gabinete de imprensa do banco espanhol.

Ainda não foi possível obter uma reacção por parte da comunicação do banco em Portugal.

A venda da unidade de retalho da instituição financeira britânica acontece depois de uma reestruturação que levou ao encerramento de cerca de 60 agências já este ano, deixando a funcionar perto de 90 balcões. O quadro de pessoal também foi reduzido no mesmo período, com as rescisões a afectarem entre 350 e 400 trabalhadores do total de 1.464 com que o banco tinha fechado 2014. Não foi possível ainda obter dados finais relativos ao fecho de balcões e das rescisões.

A reestruturação foi anunciada com base na nova estratégia da banca de retalho do Barclays, mais virada para um foco no segmento de clientes mais abastados.

Ainda assim, o plano nunca retirou de cima da mesa a hipótese de alienação em cima da mesa. Em Setembro passado, o gestor da banca de retalho do Barclays em Portugal afirmou que a “venda é sempre uma opção”, dado que desde Maio de 2014 que é uma área considerada não estratégica. (jornaldenegocios.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA