Bié: Governo aposta na reparação de estradas do Cuito

EQUIPAMENTO DIVERSO PARA ASFALTAGEM DE ESTRADAS NO BIÉ (Foto: Angop)

Cuito – O governo provincial do Bié continua apostado na recuperação de rodovias, priorizando este ano as do bairro Azul e o acesso à nova centralidade da cidade do Cuito.

EQUIPAMENTO DIVERSO PARA ASFALTAGEM DE ESTRADAS NO BIÉ (Foto: Angop)
EQUIPAMENTO DIVERSO PARA ASFALTAGEM DE ESTRADAS NO BIÉ (Foto: Angop)

Em declarações hoje (segunda-feira) a imprensa local, o vice-governador para Área Técnica e as Infra-estruturas, José Fernando Tchatuvela, disse anualmente o governo da província investe na construção de cinco a seis quilómetros de estradas.

O vice-governador anunciou estar em curso a construção de estradas de dão acesso ao cemitério, a que liga o Lar dos Idosos ao bairro Azul, aguardando-se o início da que vai até a nova centralidade.

Mais de 360 quilómetros de estradas começaram este mês a ser recuperadas nesta província, cujas obras foram consignadas, em 2014, pelo Ministério da Construção.

Os trabalhos relançados este mês (Julho), em função do término das fortes chuvas que se abateram sobre a região, enquadram-se no programa do Governo angolano que visa garantir a circulação de pessoas.

O projecto contempla a recuperação dos troços rodoviários da estrada que ligam as comunas de Cachingues/Chicala e Mutumbo, no município do Chitembo, num total de 116 quilómetros.

O escopo engloba ainda a recuperação e pavimentação de 113 quilómetros da estrada nacional 50, que liga o município de Camacupa com às comunas de Ringoma e Umpulo.

A reabilitação e pavimentação da estrada nacional 141, que da acesso à sede da vila do município do Andulo e à vila de Cassumbe, reabilitação e pavimentação de 52 quilómetros da estrada 143, que liga a sede da Nhârea à comuna da Gamba, numa extensão de 43 quilómetros, fazem igualmente parte do projecto.

Constam também do programa a reabilitação e pavimentação de 147 quilómetros da estrada nacional 250, bem como do troço Camacupa/ Cuemba à comuna do Munhango (província do Bié).

Os prazos das empreitadas variam de um a dois anos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA