Bié: Andulo comemora 44 anos de existência

(panoramio.com)
(panoramio.com)
(panoramio.com)

O município do Andulo, situado a 130 quilómetros a norte da cidade do Cuito, província do Bié, comemora celebra nesta segunda-feira, 13 de Julho, o seu 44º aniversário desde que foi elevado à categoria de cidade.

Andulo integra um dos nove municípios que compõem o Bié, está limitado a norte com a província de Malanje, através do rio Kwanza, a sul com os municípios do Cunhinga e a leste com Nharea (Bié), a sudoeste com os municípios do Mungo e Bailundo (Huambo) e a noroeste com o Mussende e Kibala (Cuanza Sul), respectivamente.

Tem um relevo cordilheira cuja altitude está acima do nível das águas do mar, com uma rede hidrográfica bastante rica que oferece condições propícias para o regadio e hidroeléctrica.

É caracterizado pelo clima tropical seco com duas estações, sendo a estação seca que vai de Maio a Setembro, denominada cacimbo e a chuvosa de Outubro a Abril, cujas precipitações anuais variam de 1.200 a 1.400 mm.

A população do município é maioritariamente camponesa e dedica-se as culturas do milho, trigo, arroz, tubérculos, ginguba e café arábica. Produzem também em pequena escala o gergelim, feijão manteiga e feijão frade, citrinos, bem como a criação de gado.

O município teve origem num caçador de nome Chikolongonjo, hábil diplomata que conseguiu estabelecer grandes amizades com os nativos.

Com a sua morte, devido a uma picada de cobra provocou grande desgosto a população, o que levou à substituição do nome Chikolongonjo para Ndulo, que na língua local, significa (algo que amarga, ruim, dor).

Ndulo também foi o nome da Embala mais antiga a norte da província do Bié, fundada por Ngola Kiluange vindo de Pungo Andongo (Malanje).

A 3 de Julho de 1971 a vila foi elevada à categoria de cidade. Segundo a tradição oral, havia no Libolo, numa altura que só o estudo aturado e encontrado na avaliação das gerações (uma geração mais ou menos correspondente a 20/25 anos), um homem chamado Ngonge, pai de quatro filhos varões, Ukungu, Atende, Ndala e Mbomba.

Os quatro irmãos eram exímios caçadores de elefantes, seguindo as pegadas de elefantes chegaram às margens do rio Kutato e tendo-o atravessado, atingiram a área actual do Chivaúlo. (Andulo).

A origem etnolinguística dos seus habitantes é o Umbundo e o Kimbundo, sendo os primeiros maioritários. O tempo de guerra levou a movimentações dos povos, quer de fora para dentro do município, situação que levou a existência de nativos do Andulo à noutras províncias de Angola e até nos países vizinhos.

A população está estimada em cerca de 234.791 habitantes, dados do último censo realizado em 2014, com uma densidade demográfica de 39 habitantes por Km².

A sua estrutura administrativa é composta por quatro comunas, sete blocos, 27 bairros, 57 povoações, 583 aldeias e 53 Embalas. A comuna sede comporta sete Blocos, 10 Bairros, 17 povoações, 186 aldeias e 17 Embalas, com uma extensão territorial de 2.250 km2.

Possui grandes recursos naturais. É atravessado por importantes cursos de água das bacias hidrográficas dos rios Kwanza e Cubango. Existem grandes áreas de florestas abertas e outros tipos de vegetação natural.

Conta com 34 unidades sanitárias, das quais três hospitais, 27 postos de saúde, um centro materno infantil e um centro de tratamento de tuberculose.

Relativamente ao sector da educação, o município tem 171 escolas,157 das quais do enino primário, 11 outras do I ciclos e três Institutos médios. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA