Banco Millennium Angola restringe acesso aos cartões visa

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O presidente daquela instituição bancária disse, em entrevista ao Semanário Económico, que a medida avançada pelo BMA não é uma decisão dos accionistas, mas uma estratégia interna que visa a boa gestão do banco

O Presidente do Conselho de Administração do Banco Millennium Angola, António Gaioso Henriques, disse que a sua instituição decidiu restringir o acesso aos cartões visa, tanto para créditos como para débitos mas que não cancelou a sua emissão.

“O banco apenas deixou de atribuir na mesma dinâmica com que vinha fazendo anteriormente e passou a decidir a atribuição de novos cartões de uma forma centralizada”, explicou o responsável.

António Henriques que falava em entrevista exclusiva ao SE, realizada recentemente, na sede do BMA, assegura que o banco continua a emitir cartões aos seus clientes e justifica as razões que levaram as restrições da emissão dos cartões.

“Nós continuamos a atribuir cartões a bons clientes que justifiquem e, portanto, deixamos de facilitar a utilização de cartões a todos os clientes”, disse, justificando que, a utilização destes cartões traziam no exterior uma utilização de divisas avultadas para o banco e, portanto, provocava uma grande pressão na gestão das divisas que o banco tem para disponibilizar aos seus clientes nas transferências e nas cartas de créditos para a economia real.
O gestor bancário fez saber que a medida avançada pelo banco não é uma decisão dos accionistas, mas uma estratégia interna que visa a boa gestão do banco.

“A nossa componente de cartões chegou a ter um montante muito expressivo na utilização. Os cartões são utilizados no estrangeiro e depois o banco tem compromisso de liquidação das compras que os clientes fazem no exterior”, disse.

Sublinhou que, o BMA teve uma componente de cartões e que há dada altura, começaram as restrições cambiais e, portanto, o banco teve de cortar para se direcionar para os sectores considerados estratégicos pelo Banco Nacional de Angola, nomeadamente a sexta básica, medicamentos, indústrias petrolíferas.

BMA disponibiliza 340 mil cartões

O BMA começou a suas actividades, como banco de direito local, a 5 de Abril de 2006 e com três balcões em Luanda. De lá para cá, já disponibilizou 340 mil cartões entre visas e multicaixas, segundo o presidente da Comissão Executiva, que limitou-se a dar dados no geral.
António Henriques assegurou que a disponibilização de cartões representou para o banco um valor avultado e aceitável, mas não revelou a quantidade
“Não tenho aqui o registo dos montantes que isto representou, mas é bastante considerável”, disse.

No sector da expansão da rede bancária, o responsável assegurou que o banco continua a abrir uma média de cinco sucursais por ano. Para 2015, disse, estão previstas abrir cinco sucursais novas e que tudo vai depender das oportunidades que surgirem nas localidades que serão identificadas para os efeitos.

5.741 milhões de kwanzas em resultados líquidos

Recentemente o BMA revelou ter alcançado, durante o exercício económico de 2014, resultados líquidos na ordem dos 5.741 milhões de kwanzas representando um aumento de 868 milhões de kwanzas, comparativamente a 2013, em que foram contabilizados, 4.873 milhões de kwanzas, resultando num aumento de 18%.

O rácio de solvabilidade registado pelo banco, no final de 2013 e 2014, fixou-se em 13,3% e 13,8%, respectivamente. A carteira de crédito a clientes do BMA cresceu, de 32% em 2013 para 45%, o correspondente a 39 mil milhões de kwanzas em 2014, o que segundo o banco, se reflete no crédito mal parado.

O BMA tornou-se, em Maio deste ano, membro da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA), depois de assinado um contrato que o habilita a transaccionar títulos emitidos pelo Estado neste novo mercado organizado. O contrato vai permitiu ao banco começar a participar em nome dos seus clientes, nos Mercados de Registo de Títulos do Tesouro, no Mercado de Transacções por Grosso e também no Mercado de Transações em Contínuo.

O Millennium tornou-se assim, o terceiro membro da BODIVA depois do Banco Angolano de Investimento (BAI) e o Banco de Fomento de Angola (BFA), actualmente, as únicas instituições que podem receber ordens de qualquer cidadão no sentido de adquirir ou vender títulos de tesouro. (semanarioeconomico.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA