Banco de Poupança e Crédito preocupa autoridade judicial

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Os órgãos judiciais da província do Cuando Cubango manifestaram-se, em comunicado, preocupados com o desaparecimento permanente de dinheiro das contas dos clientes, sobretudo falecidos, abertas no Banco de Poupança e Crédito (BPC).

O comunicado, distribuído ontem à comunicação social, resulta de uma reunião que os órgãos da administração da justiça na província do Cuando Cubango realizaram, terça-feira, na cidade de Menongue, na qual abordaram vários assuntos de interesse público.
O comunicado refere que os órgãos judiciais orientaram o Banco de Poupança e Crédito no sentido de enviar, sempre que lhe for solicitado, aos órgãos de investigação criminal os extractos bancários de clientes supostamente lesados para que se dê início a uma investigação caso haja fortes suspeitas de retirada ilegal de dinheiro da conta de algum cliente.

Os órgãos judiciais recomendaram ao Comando Provincial dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros um levantamento das zonas mais afectadas pelas descargas eléctricas e à Direcção Provincial da Viação e Trânsito a criar mecanismos para desencorajar, sobretudo, aqueles motociclistas que se sentam de forma irregular nas motos.

No encerramento da reunião, o juiz presidente do Tribunal Provincial do Cuando Cubango, João Pedro Fuantoni, declarou-se satisfeito com o trabalho desenvolvido pela Polícia Nacional, sobretudo o referente à regulação do trânsito em vários pontos da cidade de Menongue.
João Pedro Fuantoni salientou que, nos últimos anos, a província do Cuando Cubango tem registado um  elevado crescimento populacional, pelo que se exige de todos os órgãos a aplicação de medidas preventivas para o combate à criminalidade que também está a ganhar contornos alarmantes.
O magistrado judicial apelou à população para alertar sempre as autoridades policiais quando notar algo anormal nos locais de trabalho, de residência e na via pública.
O responsável pelo Tribunal Provincial do Cuando Cubango informou a Delegação Provincial da Justiça e dos Direitos Humanos que a nível da região ainda se registam muitos casos de cidadãos sem cédula pessoal ou Bilhete de Identidade.

Por esta razão, o juiz sugeriu que se trabalhe, em colaboração com as administrações municipais e a comunicação social, na divulgação do Decreto Presidencial 80/13, de 05 de Setembro, uma vez que o registo gratuito termina no próximo ano.
O responsável elogiou o esforço da empresa petrolífera Chevron, do Ministério da Assistência e Reinserção Social e do Governo Provincial do Cuando Cubango, que tudo fizeram para a construção de um centro de acolhimento, denominado João Bosco, para albergar crianças desfavorecidas e em conflito com a lei. (jornaldeangola.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA