BAD quer cooperação entre África e China a nível de industrialização do continente

Banco Africano de Desenvolvimento (D.R)

África e a China devem colocar a sua cooperação a um nível superior relativamente à industrialização do continente, declarou segunda-feira na China o presidente do Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Donald Kaberuka.

Banco Africano de Desenvolvimento (D.R)
Banco Africano de Desenvolvimento (D.R)

Segundo um comunicado divulgado terça-feira última pelo BAD, Kaberuka fez esta declaração segunda-feira, quando ele e alguns membros da alta direção da sua instituição começaram uma série de negociações com representantes do Governo chinês, gestores de fundos e estratégias  baseados no desenvolvimento.

Kaberuka partilhou as suas experiências em questões de desenvolvimento em África e no mundo, acumuladas durante o seu mandato de dez anos à frente do BAD, garantindo que a sua instituição vai continuar a ser um catalisador nesta colaboração.

Agradeceu aos representantes do Governo chinês e aos responsáveis do desenvolvimento e instituições aliadas o seu apoio durante estes anos e pediu o seu apoio bilateral e multilateral ao seu sucessor, Akinwumi Adesina, em particular,  e a África em geral.

A missão começou em Pequim, a capital chinesa, com negociações com o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Zhang Ming, que felicitou Kaberuka pelo reforço da cooperação entre a China e o BAD, em particular, e as relações da China com África em geral.

Citou as assembleias anuais de 2007 do BAD organizadas em Shanghai (China) e o Fundo Growing Together de África entre as conquistas da colaboração entre as duas partes defendidas pelo presidente Kaberuka.

“Você é um campeão no setor financeiro de África”, regozijou-se Zhang Ming, notando que Kaberuka vai continuar a ser um trunfo precioso para África depois da sua retirada do BAD em finais de agosto próximo.

A delegação do BAD manteve um longo encontro com Jin Qi, presidente da empresa Silk Road Fund, e com o seu diretor-geral, Baguette Zanzhi, sobre a arquitetura e zonas do Fundo nas quais poderá colaborar com o BAD e África.

As discussões com o governador do Banco Central chinês, Zhou Xiaochuan, e o assessor do ministro das Finanças, Zou Jiayi, versaram sobre novas maneiras de fazer negócios.

Kaberuka partilhou igualmente pontos de vista de grande envergadura sobre o futuro do financiamento do desenvolvimento durante uma mesa redonda dedicada “às oportunidades de investimento em África” sob a égide do Centro para China e Mundialização.

Sublinhou que os bancos multilaterais de desenvolvimento devem adaptar-se à dinâmica de mudança de desenvolvimento. (panapress.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA