Autoridades do Equador acusam oposição de tentar tomar o palácio presidencial e aeroportos

(REUTERS/ Guillermo Granja)
(REUTERS/ Guillermo Granja)
(REUTERS/ Guillermo Granja)

O governo do Equador acusou a oposição, nesta quarta-feira, de tentativa de tomada do palácio presidencial, em Quito, e de bloquear aeroportos e postos de fronteira com a Colômbia e o Peru.

Segundo o ministro do Interior do Equador, José Serrano, a oposição está planeando realizar essas acções na quinta-feira, durante os protestos marcados em todo o país. Segundo a autoridade, o local de trabalho do presidente Rafael Correa e os aeroportos da capital e da maior cidade do país, Guaiaquil, estariam ameaçados.

“A oposição está planeando tomar a força o Palácio de Carondelet (presidencial). Pretendiam juntar pessoas nos acessos à Praça da Independência e varrer a protecção policial”, cita as palavras de Serrano a agência Andes.

Segundo o ministro, o objectivo da oposição é provocar caos no país e impedir, dessa forma, a visita do Papa Francisco, prevista para a próxima semana, de 6 a 8 de Julho.

Um projecto de lei para taxar heranças em até 77,5% e outro de um imposto de 75% sobre ganhos de capital do sector imobiliário foram o estopim dos protestos, que tomaram o país desde Junho. O presidente argumenta que os protestos buscam desestabilizar seu governo e que os novos impostos buscam garantir mais igualdade. No Equador, 95% dos negócios são familiares. (sputniknews.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA