Angola/Rússia: Discutida parceria no domínio diamantífero

Vice-presidente da República, Manuel Vicente (à dir.), recebe presidente da ALROSA, Andrey Zharkov (Foto: João Gomes)

O aumento dos investimentos da empresa diamantífera russa ALROSA, visando tornar Angola um dos maiores produtores de kimberlitos do mundo, foi discutido nesta quarta-feira, em Luanda, num encontro entre o Vice-presidente da República, Manuel Vicente, e responsáveis do consórcio mundial do ramo.

Vice-presidente da República, Manuel Vicente (à dir.), recebe presidente da ALROSA, Andrey Zharkov (Foto: João Gomes)
Vice-presidente da República, Manuel Vicente (à dir.), recebe presidente da ALROSA, Andrey Zharkov (Foto: João Gomes)

A informação foi prestada pelo presidente do Conselho de Administração da diamantífera russa ALROSA, Andrey Zharkov, à saída de uma audiência que lhe foi concedida na Cidade Alta.

Declarou que os projectos em perspectiva e o Katoca “permitirão que a República de Angola se torne num dos maiores produtores de diamantes ao nível mundial”.

Angola é o sétimo maior produtor de diamantes do mundo, seguido da Rússia, Botswana, República Democrática do Congo (RDC), Austrália, Canadá) e África do Sul.

O magnata adiantou que no encontro foi discutida a redução dos custos operacionais na sociedade mineira de Katoca, visando maximizar os lucros.

Andrey Zharkov anunciou que está em via de arranque o novo projecto Tchiuzo, avaliado em 200 milhões de dólares, que permitirá criar cerca de 700 novos empregos e garantir uma produção anual de 2,5 milhões de quilates.

Adiantou que, com a parceria da empresa de diamantes de Angola (ENDIAMA) e outros parceiros, será implementado o projecto Luaxe, avaliado em um bilião de dólares, com uma produção anual de cerca de dez milhões de quilates anualmente.

Fez ainda alusão a um projecto conjunto de prospecção e pesquisa geológica de kimberlitos de Angola “Kimangue”, que permitirá ter um maior conhecimento sobre a existência de recursos para a posterior produção.

Andrey Zharkov informou que a empresa Kimangue, que permitirá a abertura de novos kimberlitos em Angola, contará com um orçamento trienal de cerca de 15 milhões de dólares.

Declarou que a partir das avaliações feitas por geólogos da ALROSA, Angola tem grande potencial em termos de abertura de novos kimbertlitos (depósito primários).

Disse ter sido discutido também a possibilidade de formação de quadros angolanos na Rússia.

O empresário russo promete ainda prosseguir com os investimentos no domínio social, com destaque para a educação e saúde, nas áreas de exploração.

Já o Presidente do conselho de administração da ENDIAMA, Carlos Sumbula, aventou que a cooperação entre as duas empresas é boa. Agora ganha corpo a criação da empresa mista denominada Kimberlito de Angola “Kimangue”, que vai começar a actividade em termos de prospecção de kimberlitos.

A empresa vai começar suas actividades em termos prospecção de kimberlitos com um orçamento de cerca de 5 milhões de usd ano e vai aumentar a medida das necessidades de investimentos.

Explicou que o objectivo da empresa é descobrir mais kimberlitos e aumentar as reservas no país.

Carlos Sumbula disse ainda que serão recrutados muitos quadros para beneficiar de formação na Rússia, envolvendo o ministério da Educação e a embaixada russa.

“É prematuro dizer o número de quadros necessários, atendendo as novas áreas que vão sendo descobertas”, salientou.

Afirmou que as perspectivas de mercado são bastantes boas, a medida que em que já temos alguns kimberlitos descobertos e que se está a passar a fase da prospecção.

O presidente do Conselho de Administração da ENDIAMA referiu que o país está prospectado apenas em cerca de 40% e que a maior parte dos kimberlitos em Angola estão por descobrir.

Disse também que chegou-se a acordo com a ALROSA, para cooperar com o governo provincial da Lunda Sul no domínio social. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA