Angola quer relações empresariais de excelência com Itália

MINISTRO DA AGRICULTURA, AFONSO PEDRO CANGA (Foto: Angop)

O ministro da Agricultura, Afonso Pedro Canga, instou hoje os empresários de Angola e da Itália a trabalharem para que as relações atinjam um nível de excelência como resultado da realização de investimentos produtivos em ambos estados com o envolvimento dos agentes económicos.

MINISTRO DA AGRICULTURA, AFONSO PEDRO CANGA (Foto: Angop)
MINISTRO DA AGRICULTURA, AFONSO PEDRO CANGA (Foto: Angop)

Afonso Pedro Canga, que falava na abertura do “Fórum Angola/Itália no sector da Agricultura e da Indústria Alimentar”, referiu também que Angola e Itália têm relações políticas excelentes, por isso deve trabalhar para que o relacionamento entre os empresários atinja o nível de excelência.

O ministro defendeu uma parceria sólida e duradoira com a República da Itália, tendo em vista, entre outros interesses, o desenvolvimento do sector agrícola, uma vez que aquele país tem uma tradição secular nesta área.

“Precisamos, para o efeito, de conhecimento e tecnologias. Queremos estabelecer uma parceria sólida e duradoira com a Itália”, sublinhou o ministro no seu discurso de abertura, num fórum que contou com a participação de dezenas de empresários.

Dirigindo-se precisamente aos empresários e entidades italianas, o titular da pasta da agricultura disse que Angola está aberta para receber os italianos que pretendam desenvolver projectos com angolanos.

“Manifestamos a nossa abertura em receber os empresários italianos que pretendam desenvolver projectos com os seus colegas angolanos, aproveitando as oportunidades existentes no país”, convidou o ministro.

Quanto à produção alimentar, em concreto, informou  ser uma prioridade do Executivo, por esse facto as políticas públicas e os respectivos programas estão direccionados para o aumento da produção e da produtividade, redução das importações e diversificação das exportações.

Nesta perspectiva, segundo o ministro, estão em execução projectos de investimento público em infra-estruturas de irrigação e de investigação científica, de formação de quadros, de energia, rede viária, entre outros, que têm como objectivo viabilizar os investimento privado.

No domínio das terras, esclareceu que existe uma legislação fundiária que garante segurança ao acesso, uso e o aproveitamento.

“Estamos decididos em criar um ambiente favorável ao investimento privado nacional e estrangeiro nos sectores da agricultura, pesca e agro-indústria”, afirmou Afonso Canga, acrescentando que há grandes desafios, deve-se aproveitar os recursos para produzir internamente aquilo que consumimos e exportar produtos com valor acrescentado, criar mais empregos, desenvolver o meio rural e garantir a segurança alimentar e nutricional de forma sustentável.

A  estadia de instituições e empresas italianas em Angola, para participar da 32º edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) de forma colectiva, é resultado do engajamento dos ministérios de Agricultura dos dois países em materializar as orientações e decisões dos chefes de estados e de governos em relação à cooperação no domínio da agricultura, alimentação e da agro-indústria.

A FILDA arranca hoje às 15 horas. Nesta edição, a Itália participa com 70 empresas e 54 stands. É a primeira participação grandiosa da Itália no evento.

O “Fórum Angola/Itália no sector da Agricultura e da Indústria Alimentar” contou com a presença do ministro das Políticas agrícolas  Alimentares e florestas da Itália, Maurício Martina. (portalangop.co.ao)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA