Angola e Portugal ajustam mecanismos para relançamento da cooperação

Angola e Portugal abordam cooperação (Foto: Pedro Parente)

Questões inerentes ao reforço das relações de amizade e de cooperação entre Angola e Portugal dominaram a audiência que o Vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, concedeu nesta quinta-feira ao Vice-primeiro-ministro português, Paulo Portas, que chegou hoje a Luanda para uma visita de trabalho de 24 horas ao país.

Angola e Portugal abordam cooperação (Foto: Pedro Parente)
Angola e Portugal abordam cooperação (Foto: Pedro Parente)

Em declarações à imprensa, a saída do encontro, o governante luso disse ter abordado, com o seu interlocutor, todas as formas práticas e directas susceptíveis de incentivar um clima que do ponto de vista das exportações, do investimento e das pacerias estratégicas resultem em benefício para os dois países.

“A cooperação entre Angola e Portugal é insubstituível, porque são duas nações amigas que se conhecem a muito tempo, são dois Estados soberanos que cooperam de uma forma próxima e cúmplice, e são também duas economias importantes uma para a outra quer do ponto de vista do desenvolvimento, quer das relações comerciais”, classificou.

Paulo Portas declarou que, em nome do seu Governo, tem dado muita importância ao relacionamento económico com Angola, justificando assim a sua deslocação a este país, mesmo com uma agenda intensa em Portugal, devido a convocação, nesta quarta-feira,das eleições legislativas de Outubro próximo.

Segundo o governante luso, “2015 não tem sido fácil para a economia Angolana devido a contracção dos preços internacionais na área dos combustíveis, dai que Portugal tinha de dizer que está presente e com muita força por ocasião da FILDA, que representa todo potencial deste grande país, que é Angola, no quadro africano”.

O Vice-primeiro-ministro luso considera que a situação económica angolana é uma circunstância transitória, ao mesmo tempo que assegurou a participação de Portugal no
processo da diversificação da economia de Angola, fazendo parte do seu desenvolvimento.

Na óptica de Paulo Portas, a relação entre Portugal, um país membro da União Europeia, e Angola, uma das grandes potências de África, é singular ou mesmo única que muitos
Estados gostariam de ter.

No cumprimento da agenda da sua visita, o dirigente português desloca-se ainda hoje à Feira Internacional de Luanda (FILDA), para dialogar com os representantes das cerca de 70 empresas lusas presentes no certame, que vai na sua 32ª edição. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA