Angola acolhe conferência sobre vigilância e segurança marítima do Golfo da Guiné

Ministro da Defesa Nacional, João Lourenço (Foto: Lucas Neto)
Ministro da Defesa Nacional, João Lourenço (Foto: Lucas Neto)
Ministro da Defesa Nacional, João Lourenço (Foto: Lucas Neto)

Uma Conferência Internacional sobre a Vigilância e Segurança Marítimas do Golfo da Guiné será realizada na capital angolana (Luanda), no mês de Setembro, revelou hoje, sexta-feira, no município do Ambriz, província do Bengo, o ministro da Defesa Nacional, João Manuel Lourenço.

O responsável anunciou a realização da conferência quando orientava o acto central do 39º aniversário da Marinha de Guerra Angolana (MGA), assinalado hoje, 10 de Julho.

Segundo o governante, o encontro internacional é iniciativa do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, visando reforçar a vigilância e segurança marítimas do Golfo da Guiné.

“Esperamos que seja uma importante contribuição à paz e segurança internacionais, neste mundo cada vez mais globalizado, onde os perigos que pairam sobre nossos países só podem ser vencidos no quadro de uma perfeita cooperação internacional, baseada na defesa e segurança”, disse.

O dirigente referiu que o mar é para Angola, uma via de comunicação que interliga com países de vários continentes e um meio gerador de grande riqueza, de recursos energéticos e alimentares, fundamentais para a economia nacional.

“Lamentavelmente, este mesmo meio que deve servir para o estreitamento das relações de cooperação e intercâmbio comercial entre as nações, também é utilizado por organizações criminosas que atentam contra a paz e a segurança universais”, disse.

Para o ministro, Angola encontra-se numa importante rota marítima internacional, concretamente o Golfo da Guiné, onde as ameaças descritas vêm conhecendo um crescimento considerável em países como a Nigéria, os Camarões, o Níger, o Mali ou ainda o Tchad, situação que preocupa.

Assim, falou que os praticantes de terrorismo, tráfico de armas, de drogas, de seres humanos para o trabalho escravo ou a prostituição, a emigração ilegal e outros actos criminosos, usam também os mares e oceanos para praticar e atingir seus fins macabros.

O acto central do 39º aniversário da MGA foi presenciado por oficiais superiores das Forças Armadas Angolanas (FAA), e respectivos ramos, concretamente Exército, Força Aérea Nacional e Marinha de Guerra Angolana, do governador provincial do Bengo, João Bernardo Miranda, e de adidos militares acreditados no país.

A cerimónia envolveu demonstrações de exercícios militares e animação pelos músicos angolanos Dom Caetano e Isidora Campos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA