Águas agitadas no Desportivo

Clube Desportivo da Huíla (Foto: Angop)

Os resultados negativos, obtidos pelo Clube Desportivo da Huíla no Girabola 2015, que fez disputar já 19 jornadas, estão a agitar as águas no sector militar da região Sul. O espectro da despromoção é visível, em função da posição que o grémio ocupa na tabela de classificação.

Clube Desportivo da Huíla (Foto: Angop)
Clube Desportivo da Huíla (Foto: Angop)

A equipa treinada por Ivo Raimundo Traça, terminou a primeira volta em 12º lugar, com 17 pontos,  neste segundo turno, dos nove pontos possíveis conseguiu apenas um. Ou seja, em três jogos, dois fora e um em casa, perdeu diante do Benfica de Luanda (1-0) e em Calulo, com o Recreativo do Libolo,  por 5-1. No seu reduto, logrou somar um único ponto, no empate frente ao Clube Recreativo da Caála.

O quadro, hoje, é sombrio, a requerer preocupação. A verdade é que os militares da Região Sul caíram para a 14ª posição, na tábua de classificação com 18 pontos, superados, nas últimas três jornadas pelo Sporting de Cabinda e Académica do Lobito, equipas que têm mostrado mais competência que os huilanos.

Nas três primeiras rondas da segunda volta do campeonato, a equipa comandada pelo técnico Ivo Traça marcou dois golos (um em casa e outro fora), sofreu sete (um em casa e seis fora) que indicia que os atacantes não produzem, por outro lado, o sector defensivo sofre imenso. Aliás, foram visíveis muitos erros no jogo diante dos libolenses. O técnico Ivo Traça já reagiu ao cenário, que se regista nas hostes dos huilanos. Segundo ele, não é preocupante, pois ainda se está com grande margem de segurança, pelo que, em sua opinião,  “a equipa vai reagir”.

Para isso, um trabalho psicológico profundo tem sido feito, esta semana, no sentido de recuperar os atletas e mostrar-lhe que “nada está perdido” e que os desaires foram “acidentes de percurso”, em função do calendário “pouco favorável” que a equipa tem tido, independentemente do facto de ter de jogar com todos os adversários na competição. Fora disso, sustenta Ivo Traça,  ninguém tem de se alarmar.
“É nesta fase difícil, que nos devem apoiar e acarinhar. Não é propriamente um momento de alaridos”, disse.

 “TABUA DE SALVAÇÃO”
O treinador do Desportivo da Huíla, Ivo Traça, vê o jogo da próxima jornada, diante da Académica do Lobito, marcado para domingo às 15h30, no estádio da Tundavala,  a  “tábua de salvação” para a almejada reabilitação no campeonato, pois considera os estudantes, um “adversário do nosso campeonato”.

De acordo com o técnico, os militares da Região Sul, na qualidade de anfitriões “têm a obrigação de vencer esse jogo”. Contudo, reconhece que da intenção à prática há uma enorme distância, mas que está a ser esbatida com trabalho árduo e persistente.

“Não podemos virar costas à luta. Temos de continuar a trabalhar, porque sabemos que ainda não entramos na fase de crise de resultados. Para esta semana, incrementamos trabalhos de recuperação psicológica e temos a certeza que os jovens atletas vão reagir positivamente”, disse.

A equipa volta aos trabalhos hoje, no período da manhã,  no relvado do estádio de Nossa Senhora do Monte,  para mais uma sessão de preparação com vista à recepção dos estudantes do Lobito. (jornaldosdesportos.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA