“Vitória” de populistas poderá colocar Dinamarca à margem da UE (vídeo)

(DR)
(DR)
(DR)

A extrema-direita dinamarquesa festeja um resultado histórico nas legislativas depois ter sido o segundo partido mais votado no sufrágio de quinta-feira, marcado pelo regresso da direita ao poder.

O Partido Popular Dinamarquês (DF), que defende a convocação de um referendo à permanência do país na União Europeia, não anunciou ainda se vai integrar o novo governo de coligação que vai ser liderado pelos liberais.

O líder da formação populista que duplicou o número de votos de 12% para 21%, Kristian Thulesen Dahl afirma-se surpreendido, “é um resultado excelente para o nosso partido mesmo que não tenhamos conseguido obter um número elevado de votos nas grandes cidades”.

Uma derrota amarga para a primeira mulher primeira-ministra do país, Hellen Thorning-Schmidt, que reconheceu ontem a vitória do bloco de partidos de direita (52,4% dos votos face a 47,3% para as formações de centro-esquerda), mesmo que o seu partido, Social-Democrata, tenha sido o mais votado do sufrágio, com 26,4% dos votos.

Schmidt anunciou igualmente que abandona a direção da formação depois de ter sido incapaz de conciliar as expetativas do eleitorado de esquerda, e em especial dos sindicatos, com a política de austeridade levada a cabo pelo executivo.

O próximo governo de coligação de centro-direita vai ser liderado pelo ex-primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen, o chefe do partido liberal, depois da formação ter obtido um dos piores resultados das últimas décadas. Um desafio complicado já pelas divisões entre liberais e populistas sobre o congelamento da despesa pública. (euronews.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA