Tunísia: França solidariza-se após ataque terrorista

Paris – O Governo francês exprimiu domingo toda a sua solidariedade com a Tunísia após o ataque terrorista perpetrado sexta-feira na cidade tunisina de Sousse, que fez, segundo um balanço provisório, 37 mortos e 36 feridos, alguns dos quais estão num estado de saúde crítica.

Quai d’Orsay - Ministério Francês dos Negócios Estrangeiros (Foto: Angop)
Quai d’Orsay – Ministério Francês dos Negócios Estrangeiros (Foto: Angop)

« O Chefe de Estado e o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Desenvolvimento Internacional discutiram com os seus homólogos tunisinos, aos quais eles exprimiram a solidariedade de França nesta prova », sublinhou o Quai d’Orsay (Ministério Francês dos Negócios Estrangeiros) num comunicado.

O Palácio do Eliseu (Presidência francesa) realizou uma reunião do Conselho de Defesa, abriu uma célula de crise e instaurou um número de emergência.

«Tudo está a ser feito para identificar as vítimas e as suas nacionalidades. As verificações continuam em coordenação com as autoridades tunisinas », sublinhou o Quai d’Orsay.

Por outro lado, o Presidente francês, François Hollande, avistou-se sexta-feira última  com o seu homólogo tunisino,  Béji Caïd Essebsi, e exprimiu-lhe o apoio de França na prova que enfrenta a Tunísia após o ataque terrorista, indicou o Palacio do Eliseu.

Os dois Presidentes exprimiram a sua solidariedade face ao terrorismo e a sua intenção de continuar e intensificar a sua cooperação na luta contra este flafelo , acrescentou a mesma fonte.

Entre as vítimas deste atentado num hotel de Sousse, cidade turística muito apreciada na Tunísia, figuram Tunisinos, Britânicos, Alemães e Belgas.

Segundo as autoridades tunisinas, o autor do ataque, um estudante tunisino desconhecido dos serviços de segurança, foi à praia com roupa de nadador como as outras pessoa e abriu um guarda-sol no qual ele dissimulava a sua arma de tipo Kalachnikov.

Quando chegou à praia, ele disparou, fazendo o mesmo na piscina e no interior do hotel antes de ser abatido pelos agentes de segurança.

A operação decorreu simultaneamente com outros ataques terroristas em França e no Kuwait.

Este novo ataque acontece mais de três meses após o atentado sangrento contra o museu de Bardo, em Tunis, reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI), que causou a morte de 21 turistas e um polícia tunisino.

Após o ataque do museu de Bardo, o sector estratégico do turismo registou em Abril último uma diminuição de 25,7 porcento do número de turistas e de 26,3 porcento das receitas turísiticas em divisas. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA