Tribunal confirma pena de morte para 11 pessoas por distúrbios em estádio no Egito

Imagem da briga das torcidas dos times Al-Ahly e do Al-Masry, dentro do Estádio da cidade de Port Said (D.R)

Tribunal criminal do Cairo confirmou as sentenças de morte a que tinham sido condenados os 11 adeptos do Al-Masry, um dos quais em fuga. Distúrbios remontam a 2012 e causaram 74 mortos.

Imagem da briga das torcidas dos times Al-Ahly e do Al-Masry, dentro do Estádio da cidade de Port Said (D.R)
Imagem da briga das torcidas dos times Al-Ahly e do Al-Masry, dentro do Estádio da cidade de Port Said (D.R)

Um tribunal de Port Said (noroeste do Egito) confirmou hoje a condenação à morte de 11 pessoas por envolvimento nos violentos distúrbios de fevereiro de 2012 num estádio de futebol que causaram 74 mortos e 254 feridos.

O motim de Port Said, a desordem mais mortífera do país relacionada com o desporto, envolveu os adeptos da equipa da casa, o Al-Masry, e os do Al-Ahly do Cairo após um jogo para o campeonato entre os dois clubes.

Um tribunal criminal do Cairo confirmou as sentenças de morte a que tinham sido condenados a 19 abril 11 adeptos do Al-Masry, um dos quais está fugido, após consulta ao ‘mufti’ do Egito (intérprete governamental da lei islâmica, que tem um papel consultivo).

O tribunal também condenou dois polícias, incluindo o na altura chefe da polícia de Port Said, Essam Samak, e dois responsáveis do clube Al-Masry a cinco anos de prisão.

Dos 72 réus, o tribunal absolveu 21, incluindo sete agentes de segurança e um responsável do Al-Masry, enquanto os restantes foram condenados a penas entre um ano e 15 anos de prisão.

Os condenados podem ainda recorrer da sentença para o tribunal de recurso do Egito.

Os confrontos no estádio de Port Said também provocaram vários dias de violentos protestos no Cairo, onde morreram 16 pessoas. (dn.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA