RTP suspendeu emissão de novela angolana mas vai retomá-la aos finais de noite

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Equipa de Jikulumessu temeu cancelamento mas estação atribui novo horário ao programa. Para o realizador, “é um horário que não existe, um horário de ninguém”.

A novela angolana Jikulumessu desapareceu das grelhas da RTP desde sexta-feira depois de apenas três semanas no ar. A sua equipa e alguns espectadores interpretaram essa ausência como um cancelamento mas a RTP disse esta segunda-feira ao PÚBLICO que o programa vai voltar ao ar, mas noutro horário – no late night, depois das 01h30.

A novela tem 120 episódios mas pouco mais de uma dezena foi até agora exibida devido a programação especial (festas de Lisboa ou jogos da selecção de futebol por exemplo) no horário previsto – de terça a sexta no horário nobre da RTP1.  No final da semana passada, Jikulumessu desapareceu da grelha não só do dia, mas também do site da RTP  onde se projecta a programação para as semanas seguintes. E para quarta-feira, quando a novela deveria regressar ao horário nobre, depois das 22h, surge na grelha a estreia do programa que o vai substituir, Agora a Sério, uma sitcom sobre jornalistas.

“A RTP 1 vai passar a transmitir a novela Jikulumessu num outro horário”, esclareceu esta segunda-feira a direcção da RTP1 por email ao PÚBLICO. “A programação especial destes dias fará com que a novela angolana seja emitida a partir de quarta-feira depois do Cinco para a Meia Noite e Dexter. Na faixa das 23h, a RTP estreará a série portuguesa desenvolvida pela Academia RTPAgora a Sério.”

O realizador da novela, Sérgio Graciano, diz ao PÚBLICO que considera a decisão “injusta”. Jikulumessu “não teve uma grande promoção”, o que não ajuda à fidelização de públicos, diz sobre as eventuais fracas audiências do programa e lamenta que nunca tenha sido passada à mesma hora nos serões da estação pública. A nova posição na grelha, diz, “é um horário que não existe, é um horário de ninguém”.

No sábado, no Facebook, uma das actrizes do projecto, Marta Faial, lamentou com “muita tristeza” a decisão de um eventual cancelamento da estação pública, criticando também as “constantes mudanças de horário” e “falta de promoção” da novela, que já tinha passado na televisão por subscrição portuguesa através na TPA internacional. Produzida pela Semba Comunicação, ligada à família do Presidente angolano José Eduardo dos Santos, estreou-se no início do ano na televisão angolana (TPA) – que transmitiu o último capítulo em Abril. A novela foi notícia quando um beijo entre dois homens levou à sua suspensão da antena em Angola durante três dias. A mesma actriz, que interpreta a personagem Bianca na novela centrada em dois momentos da vida de um jovem angolano, Joel Kapala, retoma a questão das audiências da novela no mesmo post na rede social. “Foram só entre 240 mil e 100 mil espectadores em média que seguiram Jikulumessu”, detalhou, criticando ainda que “isso não chega a um canal que diz não ter interesse nas audiências mas sim na qualidade”.

Jikulumessu foi uma herança da anterior direcção de programas e na altura da sua estreia o novo director de programas da RTP, Daniel Deusdado, avisava já que a estação pública não tinha mais planos para qualquer projecto de ficção angolana. Mas elogiava “um conteúdo alternativo, lusófono e representativo da capacidade de produção nacional e angolana” e acreditava que Jikulumessu iria “atravessar bem o Verão e fidelizar público que gosta de histórias fora do mainstream existente nos outros canais”.

Sérgio Graciano lamenta que a estação pública esteja agora a tratar a novela como “um produto para não se ver” num horário que “não vai funcionar para o público para que foi feito”. (publico.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA