Primeiro ministro francês visita Colômbia em apoio ao processo de paz com as FARC

(AFP)
(AFP)
(AFP)

No início de sua viagem pela América Latina, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, destacou em Bogotá o apoio de Paris às negociações de paz com as Farc e anunciou a intenção de aumentar a presença da França na Colômbia.

A França é o principal empregador estrangeiro no país.

“A França acompanha, cuidadosamente, o processo de paz na Colômbia e está sempre à disposição para acompanhá-lo, cooperando nos âmbitos do desenvolvimento, em particular, da segurança e da Justiça”, declarou o chefe de Governo francês, após uma reunião com o presidente Juan Manuel Santos.

Em entrevista colectiva conjunta, Valls disse que a França se encontra “à disposição, em todos os âmbitos (do processo de paz), para acompanhar e cooperar com o governo colombiano”.

Os dois conversaram sobre o tema da Justiça transicional, actualmente em discussão nas negociações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em Havana.

O processo de diálogo foi iniciado em Novembro de 2012 para pôr fim a mais de 50 anos de conflito armado.

Sem detalhar essa eventual cooperação, ambos destacaram um futuro apoio da França para o fortalecimento da memória histórica no pós-conflito, assim como a assessoria que a gendarmeria francesa pode dar às Forças Armadas colombianas depois da assinatura do acordo de paz.

Valls chegou ontem à Colômbia, acompanhado da mulher, Anne Gravoin, e de dois membros de seu gabinete. Também estão na comitiva a ministra da Cultura, Fleur Pellerin, e o ministro do Comércio Exterior, Matthias Fekl, e um grupo de cerca de 40 empresários.

Mais investimento na Colômbia

Antes de se reunir com Santos, Valls participou de um fórum económico, no qual convidou os empresários franceses a investirem mais na Colômbia.

“É preciso mais investimento francês na Colômbia”, afirmou, insistindo em que seu país “deve acompanhar a emergência da Colômbia entre as grandes economias mundiais”.

O investimento francês no país gera em torno de 100.000 empregos directos, e 200.000, indirectos. O comércio bilateral chega a US$ 1,792 bilião.

Além disso, a Colômbia está em processo de adesão à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económicos (OCDE), o que conta com o apoio de Paris, segundo Valls.

“A Colômbia é, agora, a quarta economia latino-americana e, sem dúvida, logo será a terceira, depois de Brasil e México”, comentou.

A agenda da viagem inclui ainda a tentativa de formalizar o apoio da Colômbia a um acordo vinculatório sobre gases causadores de efeito estufa, de olho na próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática. O evento será realizado no final do ano, na capital francesa.

Na entrevista colectiva, o presidente Santos garantiu que Valls pode contar com seu apoio.

As alternativas de reintegração de ex-combatentes das Farc com suporte de empresas francesas também foram analisadas com Santos, disse Valls à imprensa.

Amanhã, o primeiro ministro francês visita Medellín, segunda cidade mais importante do país. Depois, segue para o Equador, onde encerra sua viagem latino-americana no sábado. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA