Partidos: ‘Não’ à austeridade une esquerda. Mas o que a separa?

(D.R)

Além dos partidos de esquerda com assento parlamentar (PS, PCP e Bloco), também o Livre/Tempo de Avançar já deu a conhecer algumas das suas ideias.

(D.R)
(D.R)

Nos últimos anos, o debate sobre a austeridade marcou o país e realçou divisões entre esquerda e direita. Mas o ‘não’ à austeridade que é dado à esquerda não é exatamente o mesmo por todos os partidos. Que é como quem diz, há ideias diferentes sobre o que é prioritário na hora de romper com a austeridade.

Por enquanto, como realça o Diário Económico, o que mais une os partidos à esquerda, quando pensamos em medidas concretas, diz respeito a um eventual novo corte de pensões, medida que todos os partidos à esquerda rejeitam.

Por outro lado, agora que já se conhecem as linhas programáticas de PS, PCP, Bloco e Livre/Tempo de Avançar, é possível realçar essas diferenças.

A restruturação da dívida surge entre as propostas de bloquistas e comunistas, ao passo que o PS se mostra mais prudente nesta questão, uma prudência socialista que se estende à reposição salarial. Bloco e PCP assumem a intenção de devolver logo em 2016, e por inteiro, os cortes efetuados pelo Governo desde 2011.

O PS também é a favor da reposição, mas é aqui que se nota a questão da prudência: o timing dos socialistas aponta para 2017. Já o Livre/Tempo de Avançar, embora não especifique datas mostra-se mais próximo das posições mais à esquerda, como realça o Diário Económico.

Ainda assim, um dos pontos em que toda a esquerda continua parece claro: a recuperação da economia faz-se também pela melhoria de rendimentos dos portugueses e esta deve ser prioritária.

Outro ponto de distinção é a Segurança Social. O cenário macroeconómico proposto ao PS tem sido defendido por António Costa num ponto em particular sobre esta questão: a necessidade de diversificar as fontes de financiamento do sistema. O PS quer também apostar numa descida da Taxa Social Única (TSU) para empresas. O PCP, porém, prefere outro caminho: terminar com reduções e isenções à TSU. (noticiasaominuto.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA