Participação em fórum sobre jornalismo no Zimbabwé destaque social

JORNALISTAS ANGOLANOS E ESTRANGEIROS DURANTE UMA CONFERENCIA DE IMPRENSA (Foto: Angop)

A participação de uma delegação angolana, chefiada pelo director nacional de Informação, do Ministério da Comunicação Social (MCS), Rui Vasco, na 20ª reunião do Comité Regional de Adjudicação dos Prémios de Jornalismo da SADC, que decorria desde o dia 22 até 27 do mês em curso, na cidade zimbabweana de Victoria Falls, foi um dos assuntos de destaque do noticiário social da semana, que hoje, sábado, termina.

JORNALISTAS ANGOLANOS E ESTRANGEIROS DURANTE UMA CONFERENCIA DE IMPRENSA (Foto: Angop)
JORNALISTAS ANGOLANOS E ESTRANGEIROS DURANTE UMA CONFERENCIA DE IMPRENSA (Foto: Angop)

Uma nota de imprensa da Embaixada de Angola no Zimbabwé, enviada sexta-feira, à Angop, realça que nesta reunião são seleccionados os jornalistas de países membros da organização que receberão, no decorrer da próxima Cimeira de Chefes de Estado da SADC, a decorrer ainda este ano no Botswana, o prémio de dois mil dólares para as categorias individuais de imprensa escrita, rádio, televisão e foto-jornalismo, melhores trabalhos publicados em 2014 nas mesmas especialidades que sublinhem a importância da água como factor de integração e desenvolvimento da região austral de África.

Angola, cuja delegação integra ainda o presidente do Comité Nacional de Adjudicação dos prémios de jornalismo da SADC, José Júlio Mendonça, a directora do Gabinete de Intercâmbio do MCS, Maria de Lourdes Mouzinho e Rodolfo Kikolo (ambos na qualidade de membros do referido comité), concorre nas categorias de imprensa escrita e rádio.

Outra comitiva angolana inter-sectorial, chefiada pelo secretário de Estado do Ministerio do Interior, José Bamokina Zau, participou, sexta-feira, em  Harare, Zimbabwé, na reunião conjunta dos Ministros da SADC responsáveis pela gestão de riscos de desastres e das finanças.

Fonte da delegação informou à Angop que a reunião analisou o impacto dos desastres naturais que afectaram a maioria dos países da região da África Austral durante a época chuvosa 2014/2015.

Os impactos da seca e das inundações representam 80% das perdas humanas atribuídas aos desastres na região e 70% de perdas económicas na África Subsaariana associadas aos riscos naturais.

A semana foi ainda dominada pela apresentação, pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) em Angola, na capital do país, dos objectivos do programa de apoio à implementação de Política Nacional de Assistência Social (2014-2018), para centro de formação profissional no sector das águas (2015-2016), registo de nascimento e justiça para as crianças (2014-2018).

A representante do Unicef em Angola, Amélia Russo de Sá,  falava em conferência de imprensa, realizada em Luanda e em seguida apresentou os objectivos do programa. Realçou que o mesmo visa contribuir para a promoção de direitos da criança no país.

O programa pretende apoiar os esforços do Governo em aumentar o registo de nascimentos e atingir 80 porcento de crianças a nível nacional, para serem registadas até 2019, nas províncias de Luanda, Malange, Huila, Bié, Moxico, Uige e Cuanza Sul, onde serão implementados o programa de registo de nascimento e assistência social.

Um outro facto que mereceu destaque durante a semana, foi a Reunião de Ministros da Energia da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu em Lisboa, em que Angola esteve representada, pelo presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), Francisco Talino, em representação do ministro João Baptista Borges, tendo dito que está satisfeito com o programa de acesso da população à electricidade, que “permite passar dos 33 para cerca de 70 porcento até 2025”.

Mereceu também a atenção, a celebração do 39º aniversário do Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), a 25 deste mês, instituição da Comunicação Social vocacionada para a coordenação, apoio e acompanhamento do trabalho de imprensa estrangeira no país.

O seu director, António Mascanheiras, disse que desde que assumiu a responsabilidade de chamar a si a organização de várias actividades de âmbito nacional, o CIAM conquistou o seu espaço no leque de instituições da Comunicação Social, valorizando a importância que representa a divulgação dos feitos do Governo.

Nesta semana, a directora-geral do Instituto Nacional de Luta Anti-Drogas (INALUD), Ana Graça, defendeu, em Luanda, que o combate ao consumo excessivo de drogas lícitas e ilícitas no país depende do envolvimento de toda a sociedade, tendo em conta os danos causados pelo uso das substâncias psico-trópicas.

Em declarações à Angop, a propósito do 26 de Junho, Dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas, sublinhou que o Instituto Nacional de Luta Anti-Drogas está a trabalhar “sempre” no sentido da redução da procura e da oferta de drogas lícitas e ilícitas no país.

O 26 de Junho, dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas, foi instituído pela Assembleia Geral das ONU através da Resolução 2/112 de 7 de Dezembro de 1987, como recomendação da Conferência Internacional sobre Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas, realizada em Junho do mesmo ano, ocasião em que se aprovou o Plano Multidisciplinar Geral sobre actividades futuras de Luta contra o Abuso de Drogas. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA