Palestra sobre tema “Brasil, filho de África” realiza-se em Luanda

Escritor francês, Jean-Paul Delfino (D.R)

Uma palestra, subordinada ao tema “Brasil, filho de África”, vai realizar-se, quinta-feira, na Mediateca da capital do país, no quadro das actividades culturais da Alliance Francaise de Luanda (AFL), a ser orientada pelo escritor francês, Jean-Paul Delfino, que chegou hoje (quarta-feira), à capital angolana.

Escritor francês, Jean-Paul Delfino (D.R)
Escritor francês, Jean-Paul Delfino (D.R)

Segundo anunciou à Angop, no aeroporto, fonte da organização, o palestrante, um estudioso de fenómenos africanos no Brasil, trabalha naquele Estado da América do Sul, onde a já alguns anos, se desloca regularmente para produzir alguns dos seus escritos, na base de estudos e pesquisas que tem realizado no território brasileiro.

Para o escritor, “hoje em dia, não há dúvida que as raízes mais fortes do Brasil vêm do continente africano”, defende. Além deste aspecto, “que traços históricos ficaram naquele casamento forçado pela prática escravocrata?”, é outro assunto que Jean-Paul Delfino vai procurar responder durante a palestra cultural, fruto das suas investigações.

“Quais são os heróis que a África deu ao Brasil e que lutaram pela liberdade (das raças), muitas das vezes, com o sacrifício das suas próprias vidas?”, será outra questão a ser apresentada aos participantes à referida actividade a ser orientada pelo escritor francês.

A Alliance Francaise em Angola promove, todos os meses, eventos culturais em parceria com associações, instituições e produtores angolanos, tais como espectáculos de teatro, música, dança, exposições, sessões de cinema, palestras e acções formativas.

A actividade inicia a partir das 18 horas de quinta-feira.

No entanto, recorde-se que, recentemente, esteve também em Luanda, o professor congolês democrata, Elikia M’Bokolo, que orientou, a 27 de Maio, no mesmo local, uma palestra alusiva ao Dia de África, que tratou da história da escravatura através do tema “Um passado que não passou: deportação e escravatura dos africanos”. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA