OS 50 anos de “Os Kiezos” no Lobito (1)

Kituxi, o primeiro viola ritmo de "Os Kiezos", seguido de um fundador do grupo, o empresário Norberto de Castro, o SG da UNAC-SA e o guitarra solo, Brando, juntos no corte do bolo de aniversário. (Foto: Portal de Angola)
Kituxi, o primeiro viola ritmo de "Os Kiezos", seguido de um fundador do grupo, o empresário Norberto de Castro, o SG da UNAC-SA e o guitarra solo, Brando, juntos no corte do bolo de aniversário. (Foto: Portal de Angola)
Kituxi, o primeiro viola ritmo de “Os Kiezos”, seguido de um fundador do grupo, o empresário Norberto de Castro, o SG da UNAC-SA, Belmiro Carlos e o guitarra solo, Brando, juntos no corte do bolo de aniversário.
(Foto: Portal de Angola)

Houve quem não resistisse, deixando-se invadir pelas lágrimas, quando as vozes do conjunto “Os Kiezos” entoaram os temas emblemáticos, de há 50 anos. Músicas como Milhorró, Princesa Rita, Zá Boba, Comboio, etc., levaram a assistência a exprimir na pista de dança, velhas tradições boémias, sob o manto da saudade. Exímios dançarinos deixaram-se embriagar pelo ritmo mirabolante do semba, em passos cadenciados de bom recorte artístico, provando a sua identidade com a dinâmica melódica do grupo.

Exibição dos Kiezos, muito aplaudida no Lobito. (Foto: Portal de Angola)
Exibição dos Kiezos, muito aplaudida no Lobito.
(Foto: Portal de Angola)

Foi este o ambiente que se viveu na tarde do passado dia 7 de Junho, no Lobito, quando se abriram as portas do Clube da Rosa, para a celebração do 50º aniversário do conjunto, com a participação de vários artistas e um jovem agrupamento local, que acompanhou intérpretes lobitangas e alguns convidados. A vez de “Os Kiezos” chegou depois de um longo compasso de espera, já o sol se tinha despedido dos visitantes, provenientes de Luanda, a convite da Casa Rosa, a promotora da homenagem. O Movimento Expontâneo, quebrou o ritmo da música, quando decidiu interromper o show para dar lugar à distribuição de prémios do desporto regional, numa intervenção, muito pouco do agrado do público.

Massano Júnior, um veterano da música popular angolana, brilhando no Lobito (Foto: Portal de Angola)
Massano Júnior, um veterano da música popular angolana, brilhando no Lobito
(Foto: Portal de Angola)

Chegados um dia antes de Luanda, os integrantes de “Os Kiezos” esmeraram-se para agradar a cidade, onde sempre foram bem acolhidos. Depois de muitos anos de ausência, nada fazia supor que fossem alvo de grandes aplausos. Os Kiezos voltaram e provaram que ainda estão para durar. Com novos elementos, novas propostas e uma linha rítmica assumida. Em todas as canções interpretadas, a pista de dança pareceu pequena para tantos bailarinos.

Santos Júnior,partilhando a simpatia dos fãs, em plena exibição. (Foto: Portal de Angola)
Santos Júnior,partilhando a simpatia dos fãs, em plena exibição.
(Foto: Portal de Angola)

Os artistas convidados e patrocinados pela UNAC-SA, que  integraram o cartaz do show, entre eles, Massano Júnior, Santos Júnior, Cirineu Bastos, Xabanú, Zeca Moreno, Jivago, Kipuka, Chico Montenegro honraram com as suas vozes o 50º aniversário de “Os Kiezos”, numa prestação artística de nível, que arrancou da platéia imensos aplausos. Santos Júnior com uma versão renovada do tema “Estrangeiro”, arrebatou forte ovação da assistência, enquanto Massano Júnior mostrava os seus magníficos dotes vocais, na interpretação de dois temas do seu vasto repertório.  A música contagiou o público, pela qualidade e experiência dos seus executantes, resultando daí uma fiel percepção de quanto vale o cancioneiro popular de Angola.

O Lobito em passo de Sangazuza. (Foto: Portal de Angola)
O Lobito em passo de Sangazuza.
(Foto: Portal de Angola)

Muitos dos artistas provenientes da capital do país sentiram-se reanimados artisticamente e com vontade de prosseguirem as respectivas carreiras, se, eventualmente a actividade cultural e recreativa retomar o seu ciclo normal de funcionamento. Em Angola, estão a surgir, em substituição dos centros recreativos, os salões de festas, alguns deles com condições de oferecerem serviço esmerado de restauração e música ao vivo. Situam-se  na periferia, constituindo-se numa alternativa de trabalho para muitos artistas. Faltam os promotores culturais com aversão ao risco, capazes de devolver ao lazer o seu lugar comum.

A Casa Rosa, um espaço de lazer e recreação soube proporcionar aos convidados um cardápio completo, com todos os ingredientes típicos das matinées dançantes, recheadas com música ao vivo e comes e bebes. É uma solução ideal, empreendedora, num cenário de rejuvenescimento das actividades recreativas e lúdicas no nosso país.

O Lobito mostrou com esta homenagem a “Os Kiezos”, ser porta-estandarte do lazer,  nos tempos que correm, feito em conta peso e medida. (portaldeangola.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA