Novartis apoia o encontro pan-africano para acelerar a erradicação da malária

(DR)
Dr. Linus Igwemezie, Diretor da Iniciativa Novartis contra a Malária. (Foto: D.R.)
Dr. Linus Igwemezie, Diretor da Iniciativa Novartis contra a Malária.
(Foto: D.R.)

Peritos em malária e líderes de mais de 35 países africanos irão reunir-se para explorar estratégias inovadoras para avançar da fase de controlo para a de erradicação da doença.

O encontro convocado pela Novartis fomentará a partilha de melhores práticas e ajudará a catalisar ações para alcançar o novo objetivo da OMS: uma redução de 90% do flagelo da malária até 2030(1).

 Entre as várias ameaças estão os fundos insuficientes, os primeiros sinais de resistência aos fármacos e o avanço de doenças como o ébola que poderão gorar os esforços a menos que sejam resolvidas.

A Novartis (NVS)  inicia hoje o 14.º Workshop anual de Partilha de Melhores Práticas para o Programa Nacional de Controlo da Malária (PNCM).  África enfrenta um impasse na luta contra a malária e este encontro será uma oportunidade para os peritos de mais de 35 países africanos discutirem a necessidade de novas ferramentas e estratégias inovadoras para alcançar a erradicação da malária.

“Este debate não poderia vir em melhor altura. Na região da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral já nos encontramos numa fase avançada do programa de erradicação, tendo selecionado oito países desta região como pilotos para a campanha de erradicação”, disse a Dra. Nazira Abdula, Ministra da Saúde de Moçambique.

O workshop de três dias, organizado pela Novartis, com o apoio de organizações internacionais, incluindo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Fundo Mundial de Luta contra a Sida, Tuberculose e Malária, e o Consórcio da Malária, irão concentrar-se na nova “Estratégia Técnica Global e Objetivos para a Malária 2016 – 2030” da OMS, que pretende acelerar o progresso na luta contra a malária. Os dirigentes do PNCM discutirão os avanços tecnológicos feitos até à data e o modo como estas ferramentas podem ser implementadas e melhoradas para alcançar o novo objetivo da OMS de reduzir em 90% os casos de malária e a taxa de mortalidade até 2030.1

“A Novartis orgulha-se de proporcionar esta plataforma única,” disse o Dr. Linus Igwemezie, Diretor da Iniciativa Novartis contra a Malária. “Estes encontros foram concebidos para os membros do PNCM e por membros do PNCM, de modo a desenvolver novas ideias e estratégias para alcançar a erradicação desta doença mortífera.”

 

O encontro do PNCM acontece num momento de conjuntura crítica na luta contra a malária: a taxa de mortalidade relacionada com a doença desceu 47% mundialmente desde 20001, o que ajudou a comunidade de investigadores a perceber que a erradicação é possível. Porém, novas ameaças como a insuficiência de fundos, os primeiros sinais de resistência aos fármacos e o avanço de doenças como o ébola, poderão gorar os esforços a menos que sejam resolvidas.

 

O Dr. Simon Kunene, diretor do PNCM na Suazilândia, disse: “Estes encontros do PNCM são plataformas importantes para partilharmos as melhores práticas no continente e fomentarmos o progresso. O Quénia, por exemplo, fez melhorias significativas na qualidade da gestão de casos de malária desde que implementou uma nova política que exige o diagnóstico antes do tratamento. O mesmo se aplica a toda a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral que melhorou drasticamente a gestão de casos depois de normalizar os protocolos de tratamento na região. No meu país, a Suazilândia, fizemos grandes progressos rumo à erradicação da malária através de uma melhor capacidade de vigilância da doença, uma área essencial pois ajuda os diretores dos programas a concentrarem os seus recursos.”

Desde o primeiro workshop em 2006, este evento único forneceu uma plataforma para partilhar experiências e as melhores práticas no combate à malária. Vários projetos inovadores surgiram como resultado destes encontros, tais como o programa SMS for Life, que possibilita uma gestão mais eficiente de stocks em postos de saúde nas áreas rurais e o desenvolvimento do Coartem® Dispersible, a primeira terapia combinada com artemisinina especificamente criada para bebés e crianças (com 5 kg ou mais), desenvolvida em colaboração com a Medicines for Malaria Venture (MMV). (African Press Organization)

 

 

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA