Moçambique: Dhlakama quer país sem ódio nem perseguição

Afonso Dhlakama (AFP)
Afonso Dhlakama (AFP)
Afonso Dhlakama (AFP)

O líder da Renamo Afonso Dhlakama considerou que a miséria, resultante de políticas inadequadas do Governo, continua a perseguir a independência de Moçambique, e defende que a democracia no país seja assumida como arma de libertação e desenvolvimento.

Segundo ele, o mérito histórico dos 40 anos da independência é reduzido pela pobreza, fome, desigualdade social e perseguição violenta do Governo aos partidos da oposição, mantendo-se um convívio aparente entre a população.

“Tudo aquilo que o colonialismo fazia, antes da independência, a Frelimo decorou. Se o colonialismo através da Pide matava pessoas, religiosos, proibia as pessoas de tudo, portanto limitava as liberdades, depois da independência a coisa piorou, mas com novas tácticas”, declarou Dhlakama, adiantando que a traição da independência resultou na guerra civil de 16 anos conduzido pelo movimento.

O presidente da Renamo disse esperar ainda por um Moçambique com “boa governação”, que possa ser feita pelo seu partido, ou o concorrente Movimento Democrático de Moçambique (MDM), ou PDD do antigo número dois da Renamo, ou ainda a Frelimo, que governa o país, mas que leve Moçambique aos patamares da democracia europeia.

“Daqui a 40 anos gostava de ver um país sem ódio, sem perseguição, sem politica de exclusão social, sem discriminação, sem ódio de etnias, sem a cor partidária, mas acreditando na boa governação, no desenvolvimento”, concluiu Afonso Dhlakama, acusando o Governo de ter investido muito em instrumento de repreensão no lugar de produção.

Moçambique celebra nesta quinta-feira 40 anos de independência, num clima de tensão e incertezas, após experimentar confrontos político-militares que opuseram as Forças de Defesa e Segurança e a guarda presidencial de Afonso Dhlakama. (voa.com)

por André Baptista

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA