Líbia: Quatro mil migrantes clandestinos salvos no Mediterrâneo

Tripoli – Pelo menos quatro mil migrantes foram salvos no Mar Mediterrâneo a bordo de barcos de pesca impróprios para a navegação no Mediterrâneo, anunciou no fim-de-semana a Base de Ajuda Terrestre a Emigrantes, uma Organização Não Governamental (ONG).

(Foto: AFP)
(Foto: AFP)

Para levar a cabo esta operação de salvamento, a ONG disse ter coordenado com navios italianos, britânicos, irlandeses e alemães.

Oficiais do Navio Real Britânico exprimiram, segundo a mesma fonte, as suas preocupações relativas a informações sobre um fluxo de quase 500 mil migrantes provenientes da Líbia, numa tentativa de atravessar o Mediterrâneo rumo a países europeus mas em embarcações inadequadas, à semelhança do barco que recentemente naufragou com milhares de migrantes a bordo.

Do seu lado, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) declarou que 46 mil e 500 viajantes clandestinos chegaram à Itália através do Mediterrâneo nos cinco primeiros meses do ano de 2015, ou seja uma alta de 12 porcento relativamente ao mesmo período no ano transacto, enquanto previsões apontam para 200 mil pessoas errantes.

A Itália paga o maior tributo ao acolher emigrantes ilegais, enquanto as autoridades da União Europeia (UE) fazem pressão a outros Estados-membros da organização a fim de que partilhem este fardo de maneira mais equitativa graças à aplicação do sistema de quota com vista à reinstalação dos mesmos.

Uma onda sem precedentes de candidatos à imigração clandestina na Europa foi registada nas últimas semanas a partir das costas da Líbia com destino à Europa mas estas travessias sempre terminam de forma trágica pois mais de mil e 800 pessoas morreram durante estas travessias a bordo de embarcações inadequadas, indicam observadores.

Um projecto de resolução foi depositado pela UE no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), a fim de obter um aval para se lançar uma acção militar que consista em destruir barcos dos traficantes antes da sua partida das costas líbias, indica-se. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA