Jornalistas moçambicanos condenados por difamação e abuso de liberdade de imprensa

(VOA/Arquivo)
(VOA/Arquivo)
(VOA/Arquivo)

Dois jornalistas do Expresso Moz, Anselmo Sengo e Nelson Mucandze, foram condenados a quatro meses de prisão e a pagar uma indemnização na ordem de 10 milhões de meticais, cerca de 300 dólares, a favor de Filipe Paúnde, ex-secretário geral da Frelimo.

Eles foram condenados pelo crime de difamação e abuso de liberdade de expressão, devido a uma reportagem intitulada “Paúnde vende Isenções”, publicada em Fevereiro de 2014, segundo o jornal Domingo.

O artigo em causa dizia, a dado passo, que “Filipe Paúnde está em apuros por causa da alegada venda de direitos de isenção na importação de viaturas. Os beneficiários das isenções são preferencialmente comerciantes e vendedores de viaturas na cidade de Maputo e Matola.”

A Voz da América não conseguiu falar com os condenados, que ainda se encontram livres, nem com os seus advogados. Também contactámos o presidente do Sindicato dos Jornalistas que, por agora, não tem qualquer reacção por se encontrar fora de Maputo. (voa.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA