Ler Agora:
Governo palestino apresenta sua demissão
Artigo completo 2 minutos de leitura

Governo palestino apresenta sua demissão

O premier palestino, Rami Hamdallah (Foto de BEAWIHARTA/POOL/AFP)

O premier palestino, Rami Hamdallah (Foto de BEAWIHARTA/POOL/AFP)

O primeiro-ministro palestino, Rami Hamdallah, apresentou nesta quarta-feira a demissão do governo de união ao presidente Mahmud Abbas, que o encarregou de formar um novo gabinete, indicou à AFP um colaborador próximo do dirigente palestino.

“Hamdallah apresentou sua demissão a Abbas e Abbas ordenou que ele forme um novo governo”, declarou Nimr Hamad, conselheiro político de Abbas.

Na véspera, Abbas anunciou a seu partido, o Fatah, que a renúncia do governo palestino aconteceria em 24 horas.

A renúncia pode abrir um período de incertezas ainda maior e a divisão, não apenas geográfica dos territórios palestinianos, parece cada vez mais pronunciada.

A demissão seria uma consequência das divisões dos movimentos palestinianos, apesar da reconciliação proclamada em 2014, e da incapacidade do governo de união nacional, formado para exercer sua autoridade na Faixa de Gaza.

Desde 2014, o movimento islamita Hamas não deu nenhum sinal verdadeiro de que cederia o poder que ele tomou à força na Faixa de Gaza após a quase guerra civil de 2007 com o Fatah, laico e moderado, de Abbas.

Após anos de rupturas, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), dominada pelo Fatah, selou sua reconciliação com o Hamas em 23 de Abril de 2014. O acordo instaurava um governo de transição, de “consenso nacional”, integrado por tecnocratas aprovados pelos dois movimentos.

De fato, a Autoridade Palestina, órgão provisório criado em 1994 como consequência dos acordos de Oslo para governar todos os territórios palestinianos, teve que se contentar em continuar governando a Cisjordânia, fisicamente separada da Faixa de Gaza pelo território israelita.

Abbas acusa o Hamas de manter um governo “paralelo” na Faixa de Gaza, e o Fatah aponta abertamente o movimento islâmico com o responsável por uma dezena de atentados contra veículos e residências de seus dirigentes no enclave.

Os dois movimentos também se acusam mutuamente pela falta de reconstrução da Faixa de Gaza. (afp.com)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »