Governador solicita intervenção da Amangola na limpeza da cidade de Luanda

Graciano Domingos, Governador de Luanda (Foto: Cortesia do Jornal de Angola)
Graciano Domingos, Governador de Luanda (Foto: Cortesia do Jornal de Angola)
Graciano Domingos, Governador de Luanda (Foto: Cortesia do Jornal de Angola)

O governador provincial de Luanda, Graciano Domingos, solicitou hoje (quarta-feira) apoio da organização não governamental, União das Associações Locais de Angola (Amangola), na sensibilização dos cidadãos na limpeza e higiene da província.

A solicitação do governador foi feita durante um encontro mantido no salão nobre entre membros do governo e da Amangola.

De acordo com o governador, é imperioso o reforço do diálogo entre o governo e a sociedade civil, na busca de melhores soluções dos problemas que enfermam a província.

Referiu-se ao excesso de lixo que considerou um problema de saúde pública, pelo qual apelou a Amangola para colaborar com as administrações municipais, comunais e distritais, no sentido de ajudar na sua eliminação.

“Não interessa aos cidadãos actuarem diante desse problema com indiferença porque o lixo afecta a todos em termos de consequências, fazendo com que os trabalhadores se ausentem dos seus locais de trabalho por doenças, causando baixas no rendimento das empresas, óbitos e todos outros problemas daí decorrentes”, alertou.

Segundo Graciano Domingos, o estado de higiene em que se encontra a província de Luanda e particularmente a área metropolitana, não orgulha a ninguém, por isso todos, ao nível das ruas, quarteirões, bairros, comunas, distritos e municípios, devem se organizar no sentido de ultrapassarmos este momento.

“A Província de Luanda vive momentos que requer maior colaboração entre a administração e os cidadãos, daí que entendemos que é chegado momento de se reforçar o diálogo entre ambos, podendo ela resultar de forma coordenada, na busca de soluções que enfermam a sociedade”, esclareceu.

Por isso, “pedimos a Amangola para que auxilie o GPL, as administrações municipais, distritais e comunais no sentido da mobilização da sociedade para que se possa, nesta primeira fase, atacar o lixo como um problema fundamental que incide sobre a sociedade”, apelou.

Por sua vez, o presidente da Amangola, Job Castelo Capapinha, que se fez presente no encontro, garantiu que todo apoio em termos de recursos humanos estão assegurados.

“Tudo faremos, em termos de sensibilização da sociedade, visto que a nossa associação congrega várias outras, entre as quais a religiosa e com representação em todos os municípios e distritos”, admitiu

Job Capapinha informou que a sua instituição tem desde o mês de Janeiro um programa denominado “Amar o seu Bairro”, com onze tarefas, entre os quais, a limpeza e higiene local, que está a ser implementado com o lema “A vida faz-se nos municípios”, e o mesmo tem o seu término previsto para Dezembro do corrente ano.

Para si, a resolução da problemática do lixo em Luanda passa necessariamente por uma interação entre governantes e governados.

A Amangola está representada em 14 províncias. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA