Fundador do WikiLeaks incentiva o governo francês a adoptar medidas judiciais após espionagem da NSA

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange (REUTERS/John Stillwell/pool)
O fundador do WikiLeaks, Julian Assange (REUTERS/John Stillwell/pool)
O fundador do WikiLeaks, Julian Assange
(REUTERS/John Stillwell/pool)

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, incentivou nesta quarta-feira (24) o governo francês a adoptar medidas judiciais após as revelações de espionagem praticada pelos Estados Unidos, prometendo novas informações ainda “mais importantes” durante uma entrevista ao canal de televisão francês TF1.

O fundador do site pediu para que as autoridades francesas “criem uma investigação parlamentar e iniciem processos judiciais”, e afirmou que os “documentos mais importantes ainda estão por vir”, após as revelações sobre a espionagem dos três últimos presidentes da França.

Na terça-feira, o jornal Libération e o site de notícias Mediapart publicaram documentos, vazados pelo WikiLeaks, indicando que o serviço secreto americano espionou, entre 2006 e 2012, os três últimos chefes de Estado franceses: Hollande, eleito em 2012, e seus dois antecessores, Nicolas Sarkozy (2007-2012) e Jacques Chirac (1995-2007).

O ex-funcionário da NSA (Agência Nacional de Segurança) Edward Snowden revelou em 2013 a existência de um vasto sistema de espionagem de conversas telefónicas de vários governantes, incluindo chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA