Eranove investe em hidroeléctrica no Mali

Marc Albérola, director-geral do Grupo Eranove (Foto: D.R.)
Marc Albérola, director-geral do Grupo Eranove (Foto: D.R.)
Assinatura do acordo.
(Foto: D.R.)

O grupo pan-africano Eranove   importante investidor em África nos sectores da eletricidade e água, assinou a 18 de junho (através da sua filial Kenié Energie Renouvelable) com o governo da República do Mali, um contrato de concessão por um período de 30 anos (a contar da data de assinatura) para o financiamento, desenvolvimento, construção e exploração da barragem hidroeléctrica de Kenié, em Baguinéda, sobre o rio Níger, a 35 km a este de Bamako. A cerimónia de assinatura realizou-se na presença de Mamadou Diarra, Ministro da Economia e Finanças, Mamadou Frankaly Keïta, Ministro da Energia e da Água, e de Mamadou Gaoussou Diarra, Ministro da Promoção de Investimentos e do Setor Privado.

Este acordo assinala uma etapa importante para o grupo Eranove. A dupla de chefia do grupo, composta por Vincent Le Guennou, diretor-geral adjunto da Emerging Capital Partners (ECP) e presidente do conselho de administração do Grupo Eranove, e Marc Albérola, diretor-geral do Grupo Eranove, reuniu-se em Bamako, Mali, expressamente para se envolver no projeto.

A assinatura do contrato assinala também uma etapa importante para a República do Mali. De facto, a potência atual instalada do Mali, isto é, cerca de 414 MW(1), cobre apenas metade da procura potencial do país, segundo as estimativas do Banco Mundial. Com uma potência instalada de 42 MW, o aproveitamento hidroelétrico de Kenié irá contribuir para dar resposta a este desafio energético. De acordo com as primeiras simulações, a barragem de Kenié irá produzir cerca de 175 GWh, o que corresponde ao consumo médio anual de 175 mil lares(2). Para além disso, esta obra irá permitir ao Mali explorar melhor o seu potencial hidroelétrico e, deste modo, reduzir a sua dependência de hidrocarbonetos importados.

Marc Alberola, director geral Eranove)
Marc Alberola, director geral Eranove)

Com um potencial estimado de 400 mil MW(3), “a energia hidroelétrica é uma energia renovável abundante em África. No âmbito de uma integração regional das redes de transporte de eletricidade, a energia hidroelétrica pode desempenhar um papel fundamental no aumento das capacidades de produção de eletricidade. É preciso não esquecer a energia hidroelétrica por micro ou pico-hídricas: tratam-se de instalações hidroelétricas de pequena dimensão que podem trazer eletricidade até aldeias ou grupos de aldeias nas zonas afastadas das redes interligadas. A energia hidroelétrica, energia renovável, com o seu custo competitivo, é capaz de contribuir para o equilíbrio financeiro dos setores elétricos e satisfazer a procura para grande benefício das populações e do desenvolvimento industrial regional”, afirma Marc Albérola, diretor-geral do Grupo Eranove.

A assinatura do contrato surge após vários anos de trabalho entre o Ministério da Energia e Água da República do Mali e a IFC InfraVentures, (IFC, membro do Grupo do Banco Mundial, a principal instituição internacional de desenvolvimento ao serviço do setor privado nos países em desenvolvimento), que realizaram em conjunto vários estudos preliminares de viabilidade, seguidos de um concurso público internacional que culminou na escolha do Grupo Eranove na qualidade de parceiro estratégico. Esta etapa de 18 de junho de 2015 é decisiva para a implementação do projeto, pois permite, nomeadamente, iniciar a fase de financiamento do projeto para um montante estimado em 110 milhões de euros. De acordo com o calendário atual do projeto, a construção irá então ter início em 2016 e a barragem irá entrar em funcionamento em 2020. A barragem será então operada, através de um contrato de concessão pela Kenié Energie Renouvelable, nova filial do grupo Eranove e que irá contar também com a IFC InfraVentures entre os seus acionistas.

Contando com o apoio da Emerging Capital Partners (ECP), líder pan-africano do capital de investimento que angariou mais de 2,5 mil milhões de dólares de ativos dedicados ao continente africano, o Grupo Eranove assinala uma nova etapa no seu desenvolvimento pan-africano.

Para além do Mali, o Grupo Eranove já possui uma presença histórica na Costa do Marfim com a Compagnie ivoirienne d’électricité (CIE), a empresa costa-marfinense de produção de eletricidade (CIPREL), a empresa de distribuição de água da Costa do Marfim (SODECI) e a AWALE, e no Senegal com a Sénégalaise des Eaux (SDE).

Na produção de eletricidade na Costa do Marfim, com mais de 1100 MW operados, o Grupo Eranove representa atualmente cerca de 70% da capacidade instalada do país e investe em vários projetos. A CIE explora nomeadamente seis barragens hidroelétricas para uma potência equivalente a 604 MW com taxas de disponibilidade elevadas.

O Grupo Eranove orientou e implementou um dos maiores investimentos na Costa do Marfim nestes últimos anos em infraestruturas com a central elétrica da CIPREL (343 milhões de euros). Após a primeira fase, (turbina a gás de 110 MW) inaugurada em janeiro de 2014, a segunda fase irá ser concluída em finais de 2015 (turbina a vapor de 110 MW), formando assim um ciclo combinado. (African Press Organization)

 

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA