Demissão de Blatter favorece candidatura de Platini à presidência da Fifa

Michel Platini em 2011, no Catar. (AFP PHOTO / KARIM JAAFAR)
Michel Platini em 2011, no Catar. (AFP PHOTO / KARIM JAAFAR)
Michel Platini em 2011, no Catar.
(AFP PHOTO / KARIM JAAFAR)

Na França, a renúncia de Joseph Blatter da presidência da FIFA, anunciada na terça-feira (2), é vista como uma oportunidade para o actual presidente da UEFA, Michel Platini. O francês pode se apresentar como candidato quando for definida a nova eleição. O príncipe da Jordânia, Ali Al-Hussein, derrotado por Blatter na semana passada, já anunciou que voltará a disputar o cargo.

Após 17 anos à frente de entidade e apenas quatro dias depois de ser reeleito para um quinto mandado, Joseph Blatter decidiu deixar a presidência da FIFA, abalado pelas investigações da justiça americana dos casos de corrupção na entidade. O nome de Michel Platini, de 59 anos, começou a ser citado por vários especialistas assim que a notícia da renúncia foi divulgada.

O ex-craque do futebol francês é presidente da poderosa Federação Europeia de Futebol desde 2007 e foi reeleito três vezes. Platini tem fama de ser incorruptível e implantou várias reformas audaciosas, como o chamado Fair-Play financeiro, que obriga os clubes europeus a organizar suas finanças. Ele chegou a cogitar entrar na batalha pela presidência da FIFA nas últimas eleições, mas desistiu diante do favoritismo de Blatter.

Campanha contra Blatter

Com a revelação do escândalo de corrupção na entidade, na semana passada, Platini liderou a campanha pedindo a demissão do presidente da FIFA e apoiando activamente o príncipe da Jordânia, Ali Al-Hussein, o único adversário de Blatter na eleição.

Ao contrário do príncipe jordano, o presidente da UEFA ainda não anunciou sua intenção de disputar a presidência da FIFA, mas sua candidatura parece uma evidência para muitos eleitores.

O presidente da Federação Africana, o camaronês Issa Hayatou, adiantou em entrevista à RFI que não será candidato e que considera normal que “Platini tenha essa ambição”.

Apoio a Platini não é unânime

O apoio ao presidente da UEFA ainda não é unânime e ele deverá seduzir os eleitores de outros continentes. A federação europeia representa apenas 53 dos 209 eleitores da FIFA. Platini poderia também ser fragilizado por seu controverso apoio à candidatura do Catar para sediar a Copa do Mundo de 2022.

A UEFA decidiu hoje adiar uma reunião prevista para acontecer no próximo sábado (6), em Berlim. Os dirigentes do futebol europeu deveriam no encontro definir a relação futura da entidade com a FIFA. Michel Platini informou que o adiamento foi decidido para permitir uma distância do escândalo de corrupção da entidade, que a cada dia aumenta com novas revelações. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA