Cuanza Norte: Famílias chamadas a denunciar casos de fuga à paternidade

Governador em exercício do Cuanza Norte, José Alberto Quipungo (Foto: Diniz Simão)
Governador em exercício do Cuanza Norte, José Alberto Quipungo (Foto: Diniz Simão)
Governador em exercício do Cuanza Norte, José Alberto Quipungo (Foto: Diniz Simão)

O governador em exercício do Cuanza Norte, José Alberto Quipungo, apelou nesta segunda-feira, em Ndalatando, às mães a denunciarem cada vez mais os casos de fuga à paternidade junto da sala da família do tribunal provincial, visando combater tal prática.

José Alberto Quipungo fez este apelo quanto intervinha no acto provincial comemorativo ao 1 de Junho, Dia Internacional da Criança, salientando que o numero de casos em que pais furtam-se de prestar alimento aos filhos têm vindo a aumentar na provincia, facto que está a preocupar as autoridades locais.

Para si, os autores de tais práticas devem ser responsabilizados judicialmente, visto ser um crime previsto e punível no âmbito da Lei contra a violência doméstica.

“Em relação ao incumprimento do exercício do poder paternal por parte de muitos progenitores, gostaria de apelar às mamas que estão a criar os filhos, ante olhar silencioso dos maridos, no sentido de se dirigirem aos órgãos que concorrem para a administração da justiça para se chamar os transgressores à razão e assumirem as suas responsabilidades para o bem-estar das famílias, das comunidades e do país”, referiu.

Frisou que a fuga à paternidade, nos dias de hoje, constitui não só uma preocupação do governo, como de toda a sociedade, apelando, por isso, para a necessidade de cada um assumir as suas responsabilidades enquanto pai.

“Muitas crianças são maltratadas, muitas não estão registadas e não frequentam a escola por negligência dos pais”, rematou.

Por seu turno, o director do INAC no Cuanza Norte, José Maria Pereira António, assegurou que de Janeiro a Maio, a instituição registou, só no município de Cazengo (sede da província), 56 casos de fuga à paternidade, que envolveram 115 crianças, muitas sem registo de nascimento e não frequentam a escola, assim como cinco casos de abandono de menor.

Aconselhou igualmente os progenitores a assumirem a paternidade dos filhos dentro e fora do casamento, dando-lhes condignamente a assistência e educação, para que se tenha famílias saudáveis e harmoniosas.

Momentos de entretenimento com música, dança, cultura geral, enchimento de balões, ginástica rítmica e desfile de moda, marcaram a efeméride, cujo acto comemorativo decorreu no pavilhão gimno desportivo Eng. José Eduardo dos Santos, em Ndalatando, sob o lema “Protecção e desenvolvimento integral da criança, compromisso nacional”.

Membros do governo, professores, pais, encarregados de educação, autoridades tradicionais e religiosas testemunharam o acto, onde, numa mensagem as crianças pediram mais respeito pelos seus direitos e materialização das acções contempladas nos 11 compromissos da criança. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA