Brasil, China, Índia e África do Sul exigem ajuda financeira por mudança climática

(AFP)
(AFP)
(AFP)

Brasil, China, Índia e África do Sul manifestaram neste domingo na ONU sua decepção, porque os países ricos não foram capazes de manter seus compromissos de ajuda aos países pobres para combater o aquecimento global.

Ministros e negociadores desses quatro países se reuniram em Nova York em preparação para a Conferência Mundial sobre o Clima, que acontece em Dezembro próximo, em Paris.

Em um comunicado conjunto, os representantes desses países expressaram sua “decepção frente à constante ausência de um plano de acção claro para que os países desenvolvidos aportem US$ 100 bilhões anuais até 2020 e para que aumentem substantivamente seu apoio financeiro depois dessa data”.

Em 2010, os países desenvolvidos concordaram em mobilizar esse montante nesse período para ajudar os países pobres a se adaptarem ao impacto da mudança climática e reduzir suas emissões poluentes.

Esses compromissos caíram, porém, para cerca de US$ 70 biliões anuais, de acordo com o Banco Mundial.

A ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que os quatro países se comprometem a trabalhar duro para evitar que se repita o fracasso da última conferência do clima, realizada em Copenhaga, em 2009.

“Não podemos adiar essa agenda, esse acordo”, frisou.

Já o enviado da China para o tema, Xie Zhenhua, comentou que “ainda há expectativas e espero que os países desenvolvidos possam honrar seus compromissos antes do encontro em Paris”.

O negociador indiano, Ravi Prasad, destacou que os países desenvolvidos devem compartilhar suas tecnologias de energia limpa com as nações pobres para que elas possam embarcar nos esforços globais de combate à mudança climática.

“Se não receberem um fluxo de apoio tecnológico, para muitos países em desenvolvimento e economias pobres será impossível percorrer esse caminho no futuro próximo”, alegou Prasad.

“Adaptar-se requer muito dinheiro”, afirmou a ministra sul-africana de Meio Ambiente, Edna Molewa. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA