Bié: Defendida preservação dos monumentos históricos no Cunhinga

Defendida maior preservação dos monumentos e sítios históricos (Foto: Angop)

Cuito – O administrador municipal adjunto do Cunhinga, José António Dandula, defendeu nesta terça-feira a necessidade da preservação dos monumentos históricos, para se manterem os hábitos e costumes e consequentemente a sua transmissão as novas gerações.

Defendida maior preservação dos monumentos e sítios históricos (Foto: Angop)
Defendida maior preservação dos monumentos e sítios históricos (Foto: Angop)

Em declarações à imprensa, o responsável sublinhou que o município controla seis monumentos históricos, que carecem de investimentos para a sua recuperação.

Dos monumentos históricos controlados, o responsável apontou a Missão Católica do Vouga, Igreja da Paroquia Imaculada da Conceição, Andas do Catemo, embala Candioco, Cemitério do Chimbotio, entre outros.

Para salvaguardar o legado histórico do município, salientou que a administração, em parceria com as instituições religiosas e autoridades tradicionais, sensibilizam à população, mormente a juventude, no sentido de não danificarem o património cultural.

O município do Cunhinga, 30 quilómetros a norte da cidade do Cuito, província do Bié, possui uma extensão territorial de 1.509 quilómetros quadrados, uma população estimada em 69.238 habitantes.

Possui uma comuna: Belo-Horizonte, dois centros administrativos (Tunda Chivava e Capeio) 17 embalas, 14 aldeias, 12 bairros, bem como 178 autoridades tradicionais. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA