“Admito afastar-me a qualquer momento se for útil para o país”

(D.R)

“Estou completamente de consciência tranquila”, garantiu o vice-presidente do PSD

(D.R)
(D.R)

Numa entrevista concedida ao Diário de Notícias, Marco António Costa disse-se “completamente” de consciência tranquila relativamente às conclusões do relatório preliminar do Tribunal de Contas à gestão da Câmara da Gaia entre 2008 e 2012.

Assumindo que “não existem gestões imaculadas” e que “todos nós cometemos erros de avaliação e podemos cometer erros de decisão”, o vice-presidente do PSD deixou claro que não recebeu presentes de uma construtora quando estava na Câmara de Valongo e que nunca contratou swaps. “Autorizei a contratação de um swap e esse swap não é um swap tóxico de acordo com aquilo que são os critérios legais e técnicos autorizados”, explicou.

Sobre as falhas que lhe são apontadas, o braço direito de Passos Coelho no PSD assegurou que não passam de “juízos de valor” e que não foram identificados factos de fundamentem irregularidades, ilegalidades ou crimes.

Ainda assim, admitiu afastar-se dos cargos que ocupa, se o partido e o país assim o quiserem. “Eu admito afastar-me em qualquer momento, sempre que for necessário e se isso foi útil para o meu partido e particularmente para o meu país. eu nunca estive agarrado a lugar nenhum, a prova disso é que ao longo da minha vida fui passando por vários lugares e, felizmente, deixei mais amigos do que inimigos”. (noticiasaominuto.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA