Acordo monetário entre Angola e China pode abrir portas a outros acordos

(VOA)
Militares das Forças Armadas Angolanas (FAA) (Foto: Alberto Julião)
Militares das Forças Armadas Angolanas (FAA) (Foto: Alberto Julião)

Um possível acordo monetário entre Angola e China continua a suscitar reacções depois do assunto ter sido aventado durante a visita de José Eduardo dos Santos a Pequim.

Segundo o economista José Matuta Cuato, nas relações económicas entre Estados não pode haver monopólio. Por isso, considera que, em caso de um possível acordo monetário entre Angola e a China, que permita a circulação de yuan e kwanzas nos dois países, pode transformar-se numa lufada de ar fresco e pode beneficiar Angola.

“Em função do fluxo monetário entre Angola e China, há esta necessidade que pode ser também uma lufada de ar fresco para as outros acordos”, explicou.

Nos meios políticos angolanos, considera-se que o suposto acordo obedece a uma estratégia destinada a “fugir do dólar”, passando a adequar a economia angolana ao yuan, a moeda oficial da China.

Caso venha a ser oficializado, o acordo permitirá que as trocas comerciais sejam realizadas nas moedas dos dois países, enquanto os futuros empréstimos que a China conceder a Angola, serão em moeda chinesa e não em dólar.

Um provável acordo monetário não é visto como algo totalmente alheio à realidade actual.

Na verdade, Pequim, através dos chamados Brics (o grupo dos países emergentes integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) tem estado a mover influencias para que a sua moeda passe a ter poder de circulação, nas economias dos seus parceiros, à semelhança do dólar norte americano. (voa.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA