Zaire: Inaugurada fábrica de processamento de oxigénio no hospital provincial

(Foto: Pedro Moniz Vidal)
(Foto: Pedro Moniz Vidal)
(Foto: Pedro Moniz Vidal)

Uma fábrica de oxigénio com a capacidade de produzir mais de 20 botijas por dia foi inaugurada hoje, sexta-feira, no hospital provincial do Zaire, em Mbanza Congo, pelo governador, José Joanes André.

A referida unidade fabril arrancou, numa primeira fase, com uma produção diária de 10 a 15 botijas, segundo deu a conhecer à Angop, o director-geral do hospital provincial, Domingos da Silva.

Segundo o responsável, com a entrada em funcionamento desta fábrica de oxigénio ficam ultrapassadas as dificuldades da carência deste produto a nível desta unidade hospitalar, além de melhorar o atendimento dos pacientes que necessitam regularmente deste serviço.

“O hospital vivia um problema sério quanto ao abastecimento do oxigénio, porque deparávamo-nos com dificuldades em termos de transportação deste produto a partir da capital do país, Luanda”, sublinhou, Domingos da Silva.

Explicou que diariamente, o hospital provincial consome no mínimo 10 botijas de oxigénio, frisando que a remessa que era feita a partir de Luanda era de 60 botijas, insuficiente para atender a demanda.

Em declarações à imprensa, o governador, José Joanes André, mostrou-se regozijado com este empreendimento.

O governante referiu-se também das obras de ampliação deste hospital, em fase conclusiva, que passa a contar com 250 camas, contra as 140 anteriores, com a entrada em funcionamento de três novas naves que vão albergar os serviços de pediatria, banco de urgência e a maternidade.

O governador do Zaire apontou, na ocasião, a insuficiência de recursos humanos como o principal problema com que

se debatem as unidades sanitárias da região, frisando que está prevista a realização de um encontro específico na província para se debater esta questão com vista a se encontrar uma solução.

Considerou a formação de profissionais do ramo, uma das apostas para se debelar a problemática da carência de técnicos, frisando que está em fase de conclusão a escola técnica de nível médio em Mbanza Congo para o efeito.

A nível de médicos, prosseguiu, a província está a contar, brevemente, com seis bolseiros formados no instituto superior de ciências médicas da universidade 11 de Novembro em Cabinda.

Disse também que da República de Cuba chegarão em breve outros oito médicos que irão reforçar a capacidade de atendimento em algumas unidades sanitárias de referência nesta parcela do país.

O governador inteirou-se dos novos equipamentos instalados nas mais diversas áreas de atendimento desta unidade sanitária, desde o bloco operatório, medicina geral, pediatria, laboratórios e à área de radiografia e de tomografia axial computarizada (para o exame complementar de diagnóstico de imagem).

A visita de campo do governador estendeu-se a diversos projectos sociais e administrativos, nomeadamente os edifícios do núcleo de apoio à Assembleia Nacional, da Delegação da Justiça e respectiva repartição fiscal, prédio de 10 andares, assim como ao complexo de campo multi-uso e lazer no bairro 11 de Novembro.

Inteirou-se também das obras de construção do hospital geral do Zaire que terá 376 camas, de escola superior de ciências médicas, que comportará além das 24 salas de aula, oito laboratórios, edifícios residenciais, campos multi-uso, entre outras áreas.

A jornada de campo culminou no bairro 11 de Novembro com a visita aos trabalhos de reabilitação de uma via urbana que ligará as zonas de Kianganga e Nfumu. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA