Vice-Presidente inteira-se do estado do Laboratório de Engenharia

Manuel Vicente - Vice-Presidente (à dir.), visita Laboratório de Engenharia (Foto: Lucas Neto)
Manuel Vicente - Vice-Presidente (à dir.), visita Laboratório de Engenharia (Foto: Lucas Neto)
Manuel Vicente – Vice-Presidente (à dir.), visita Laboratório de Engenharia (Foto: Lucas Neto)

O Vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, inteirou-se hoje (sexta-feira), em Luanda, sobre o estado e funcionamento do Laboratório de Engenharia de Angola (LEA), na perspectiva de uma maior dinamização do sector.

Em cerca de duas horas, Manuel Domingos Vicente, que foi recebido pelo ministro da Construção, Waldemar Pires Alexandre, os secretários de Estado do sector, António Pessoa e Euclides de Carvalho, e o governador de Luanda, Graciano Domingos, percorreu as instalações e recebeu explicações detalhadas sobre o funcionamento, do seu responsável máximo, Molares d’Abril, bem como as estratégias para o seu crescimento.

No quadro da jornada, o Vice-Presidente, que se fez acompanhar por altos funcionários do seu gabinete, reuniu-se ainda com a direcção do ministério e da instituição.

Em declarações à imprensa no final da reunião com o Vice-Presidente, o ministro Waldemar Pires Alexandre disse que o balanço da visita é extremamente positivo, uma vez que este saiu da instituição bastante reconfortado e baixou algumas orientações, que foram acatadas de imediato.

Waldemar Pires Alexandre acrescentou que a direcção do ministério e o LEA irão, neste sentido, procurar trabalhar com espírito de criatividade e iniciativa para contornar a actual situação financeira, dando mais capacitação à instituição.

Referiu que procurar-se-á encontrar, no âmbito da diversificação das actividades do LEA, outros segmentos e aproveitar a possibilidade de gerar receitas nesta actividade.

Com isso, explicou, vão procurar compatibilizar estas necessidades com alguma legislação que dê alento e respaldo a esta possibilidade.

Precisou que as preocupações levantadas pelo Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, tem a ver com a necessidade de reforçar a capacidade institucional, quer seja em termos de recursos humanos, quer seja de recursos técnicos e tecnológicos.

Com isso, salientou que “deve-se pensar na revisão da política remuneratória, no sentido de poderem, de uma forma atractiva, manter os quadros técnicos na instituição”.

Isto, referiu, permitirá também pensar numa grande componente que é a participação do LEA nas obras de engenharia ou seja obras estruturantes.

A sua função é a de apoiar o Ministério da Construção, relativamente à segurança e qualidade das obras, através da investigação aplicada no domínio das obras e engenharia civil e de materiais de construção.

A instituição conta actualmente com 175 quadros, dos quais 10 porcento são técnicos superiores, 26 técnicos médios. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA